294

A Nintendo antes de Mario: armas, nudez e futebol

O que a Nintendo fazia antes de Mario? Baralho com moças seminuas, trabucos e "testadores do amor" foram alguns produtos de um passado que parece tão remoto quanto surreal.
Por: Daniel Lemes
2
730

O que a Nintendo fazia antes de Mario?

Todo mundo sabe que hoje (e nos últimos mais de 30 anos) a palavra Nintendo é sinônimo de videogame. A associação inevitável nasceu no começo dos anos 80, com arcades como Donkey Kong e Mario Bros., e depois mais ainda com o NES, que praticamente reinventou os consoles.

Mas a Big N não virou "Big" do dia pra noite. Fundada no fim do século XIX por Fusajiro Yamauchi, a fabricantes de cartas de baralho, e bem depois brinquedos eletrônicos, levou quase 80 anos para tomar a forma que qualquer criancinha conhece, da gigante dona de Mario, Zelda e etc.

E foi um caminho tortuoso. Eles investiram em quase tudo que você imaginar, ou não. Alguns produtos são menos obscuros como o Ultra Hand ou o Love Tester, bolados já nos anos 70 por Gunpei Yokoi. Mas sabia que a Nintendo já fabricou puzzles? E carrinhos para bebê, mesas de futebol, instrumento musical eletrônico? Espingarda de tiro ao alvo com visual muito realista? E até cartas de pin-ups com peitinhos de fora?

Um passado surreal para uma das marcas mais familiares do entretenimento. Por lá ficou uma série de itens, a maioria no ramo dos brinquedos, testemunhas de sua luta para fazer dinheiro. Algumas beiram o bizarro, se comparando com o perfil atual. Outras insinuavam o futuro, como um simulador de caça ao pato com pistola e projetor — oito anos antes de um certo Duck Hunt que você sabe qual.

Conheça alguns produtos da Nintendo antes de Mario, e por assim dizer, antes de ser Nintendo.

Baralhos em chaveiro

nintendo-mini-cartas

Baralhos tiveram papel fundamental na história da Nintendo. Das tradicionais Hanafuda aos jogos ocidentais, passando por personagens Disney, foram o principal ramo da companhia por quase sete décadas — desde a fundação em 1889 até os anos 1960, quando mudaram o nome de Nintendo Playing Card Co. Ltd. para Nintendo Co., Ltd., investindo muito mais em jogos e brinquedos.

Um modelo em especial chama atenção. Lançados por volta de 1965, os chaveiros porta-baralho de longe lembravam um baralho comum, mas bastava abrir a caixa para descobrir a "joia": uma caixinha dourada com um símbolo recortado em metal. Na embalagem com veludo púrpura, um pequeno baralho, em versões ocidental e hanafuda. O ás de espadas tinha o tradicional logo da Nintendo (em sua fase de fabricante de cartas).

Table Soccer

nintendo-table-soccer

O futebol começou a ganhar relevância no Japão nos anos 90 com a J-League, quando caras como Zico e Alcindo foram jogar por lá. O que realmente enchia estádios era o baseball, e a Nintendo produziu alguns brinquedos relacionados, como Baseball Board e o Ultra Machine (um lançador de bolas para praticar a rebatida).

Mas em pleno 1965, o futebol teve vez. Foi nesse ano que chegou ao mercado local Table Soccer. Não foi criado pela Nintendo, mas licenciado da britânica John Waddington. Não é quase nada diferente do nosso velho e bom futebol de botão, com uma mesa em formato de campo, redes, e "botões" — ou melhor, jogadores sobre uma ficha de plástico, usada para lançar a "bola".

Em 1970, o jogo seria "modernizado" com Dynamic Soccer, que tinha cercas na beira do campo e funcionava através de bombas de ar.

Ultra Hand

nintendo-ultrahand-4

Na metade dos anos 60, a Nintendo engatinhava como produtora de brinquedos, principalmente em comparação com marcas como a Bandai. Mas foi nessa época que um seus funcionários fundamentais na fase dos games apareceu. E com um brinquedo, o Ultra Hand.

Desenhado por Gunpei Yokoi e lançado em 1966, é um braço mecânico com ventosas nas pontas, que com um pouco de habilidade, agarra objetos. É preciso primeiro esticar o braço e depois puxar uma cordinha vermelha para fechas as ventosas. Não muito fácil de usar, mas funcionou, vendendo mais um milhão de unidades até 1970 — primeiro produto com o selo Nintendo a alcançar essa marca.

Yokoi, que era engenheiro nas fábricas de carta, foi promovido a designer e anos depois, faria o Game & Watch, e depois nada menos que o Game Boy.

Hip Flip

nintendo-hip-flip-3

Dance Dance Revolution, tapetes eletrônicos? Esqueça essa bobajada. Bem antes, a Nintendo tinha algo para quem gostava de dançar. Em 1968, foi lançado no Japão o Hip Flip, que como o nome indica, tem tudo a ver com mexer os quadris. O casal de dançarinos coloca a geringonça presa na cintura, e no meio dela há um módulo rotativo com um sino na extremidade. O objetivo é girá-lo na base, o que se consegue mexendo as cadeiras.

O brinquedo-jogo também não era original da Nintendo, mas uma recriação (licenciada) da da Parker Brothers, com caixa e logo redesenhados. O corpo de plástico tinha recortes em formato de coração e cores quentes, bem ao estilo de brinquedos "jovens" como o famoso Twister ou o Tight Squeeze da Mattel, que obrigava casais a dançar presos por um cinto, bem coladinhos.

Love Tester

Ainda apostando nos adolescentes, veio outro brinquedo icônico da fase intermediária da Nintendo, o Love Tester — mais um saído da cabeça de Gunpei Yokoi. Anunciado para "as jovens damas e homens", foi o primeiro brinquedo fabricado pela própria empresa com componentes eletrônicos (havia um tipo de walk-talk chamado Companion, mas fabricado pela Sharp).

O rudimentar dispositivo é um medidor de condutividade elétrica. Quando tocado nos dois polos por diferentes pessoas com as mãos dadas, ele (na brincadeira, claro) mediria o "nível de amor" entre elas. Um sucesso danado, já que servia como ótima desculpa pra pegar na mão das moças, mesmo que só por uns segundos — o que num Japão dos anos 60 devia ser uma considerável intimidade.

Já deu pra sacar que a Nintendo estava com tudo nos produtos voltados ao "amor", né? Então veja a próxima...

Continua na próxima página ↓

1
2
FONTEBlog BeforeMario
Artigo anteriorChip do NES Classic Edition rodaria até polígonos
Próximo artigoUma rara entrevista com Gunpei Yokoi, em 1997
265 posts e 35 reviews por...avatar de Daniel Lemes

Divide seu tempo livre entre jogos cheirando a mofo, o comando de uma comunidade sobre velharias, músicas com mais de vinte anos, dentaduras soltas e fios brancos.

Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

2 COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!
  1. O lace do carrinho de bebê e o "brinquedo" para dançar juntinho eu não conhecia. Essa Nintendo sempre surpreendendo kkkkkkkkkkkk. Eu prefiro entender a Nintendo como uma empresa dos anos 70. Pensar no século XIX e ao mesmo tempo com videogames não faz sentido. E se a gente pensar bem, na prática a Nintendo "faliu" várias vezes, já que sua atividade mudou drasticamente com o tempo. É diferente da Coca Cola que tem praticamente a mesma idade da japonesa mas sempre atuou no mesmo segmento.
    Rapaz... esse blog do before mario é uma loucura! Conheci ele em 2014 se não me falha o winchester...
    Abração Daniel!

    • A grande virada foi mesmo nos anos 60, quando começaram a mexer com eletrônicos. Antes, apesar das invencionices, os baralhos mandavam. Vale lembrar que até hotel e companhia de táxi eles tentaram, bizarro demais.
      Abraço!

DEIXE UM COMENTÁRIO