Reviews de games do Memória BIT

Os reviews de games são a razão do Memória BIT existir, assim como a de muitos sites especializados.

Leitores chegam aqui buscando uma opinião antes de decidir pela compra de um jogo. Ou querendo uma visão diferente após ter jogado. Ou seja: se vai escrever reviews, pense que é uma responsabilidade. É você dizendo se vale ou não o suado dinheiro e o precioso tempo do leitor. Por mais que seja divertido escrever sobre jogos, leve a atividade a sério.

Reviews honestos

Já se você é leitor, saiba que nossa intenção não é proteger ou atacar jogos ou empresas em especial. Notas e conteúdo de reviews não são e nunca serão pagos. São opiniões pessoais e independentes dos revisores, que você deve juntar a outras para formar a sua.

Oferecemos liberdade aos revisores, mas não permitimos trollagem, esculhambação e sacanagem. Cada novo review é avaliado e se for detectada uma nota completamente fora da realidade, o revisor terá que justificá-la, caso não o tenha feito em seu texto.

Um site, vários reviews

Um diferencial do MB é que um único jogo pode ter diversos reviews, caso vários revisores queiram escrever sobre ele. Cada um terá seu próprio artigo, com suas notas particulares.

Por essa característica, o MB não tem "reviews oficiais", que representam o site.

Jogos de qualquer época

Outro diferencial é que não restringimos avaliações aos lançamentos. Revisores são encorajados a avaliar jogos de qualquer geração, inclusive bem antigos como os de Super Nintendo, PlayStation clássico, Atari 2600, etc. Não há limites.

E pra que serve isso? Com o contínuo interesse público por jogos e sistemas clássicos – vide o sucesso dos miniconsoles e emuladores –, sempre há interessados em conhecê-los. O mesmo vale para produtos não tão antigos e ainda à venda em consoles virtuais e lojas como Steam e Epic.

Se não serve pra você, ótimo. Mas lembre-se que muita gente terá o primeiro contato com tais jogos. É onde entra a utilidade dos "retroreviews".

Sistema de notas

Empregamos no MB um sistema próprio de conceitos e notas. São oito conceitos, com notas de 1 a 10 dadas pelos revisores. A média delas forma o placar médio.

Navegando pela seção "Games", você pode encontrar alguns com notas. Elas são a média de todas as médias de reviews daquele jogo publicados no MB.

Conceitos

Gráficos: o revisor avalia a qualidade visual geral do jogo, seja o design de pixel arts num game 2D ou dos mapas e modelos 3D modernos.

Efeitos sonoros: avaliação apenas de efeitos, seja da qualidade técnica ou de quanto bem aplicados eles foram na criação de uma atmosfera, por exemplo.

Trilha sonora: complementando os efeitos, vem a avaliação da trilha, de novo abarcando tanto a qualidade quanto seu funcionamento dentro do jogo. Bom lembrar que alguns jogos não têm música; nesse caso, os revisores são instruídos a dar a nota de acordo com o impacto disso na produção.

Jogabilidade: revisores avaliam as mecânicas do jogo, se elas foram bem construídas, se atendem ao propósito esperado. Fatores como repetição exagerada e má otimização também podem influenciar na nota. O design de interface também pode influenciar na jogabilidade (como menus que prejudicam a ação ou HUDs com mais ou menos recursos).

Controles: avaliação específica da qualidade dos controles. É responsivo, ágil? Ou confuso e lento? Simplista demais quando precisava de mais recursos, ou complicado quando precisava ir direto ao ponto? As respostas dependem do revisor.

Criatividade: verdade que nem todo jogo precisa ser criativo para ser bom, mas não podemos ignorar a vantagem de um jogo que nos apresenta algo surpreendente, uma ideia renovada e enriquecedora.

Enredo: assim como trilha sonora, nem todo jogo precisa de um enredo, claro. De qualquer forma, os revisores são encorajados a avaliar não só uma história sendo contada, mas se o jogo se encaixa na temática proposta de forma convincente.

Carisma: o mais incomum critério do nosso sistema, optamos por ele em vez de Diversão, algo muito mais pessoal. Como carisma, entenda a capacidade do jogo de apresentar personagens, histórias e situações atraentes, que não sejam só divertidas como também marcantes. São jogos capazes de criar uma conexão geralmente mais duradoura com o público.

Significado da média

Como dito, o revisor não tira a média da cabeça de forma aleatória: ela é calculada automaticamente a partir dos conceitos.

É possível que um jogo tenha reviews com nota máxima (exemplo: o Gran Turismo original foi o primeiro avaliado com nota 10). Nas médias globais, da seção Games, fica mais difícil conforme novos reviews surjam – basta que um revisor não dê nota máxima para o valor cair para sempre ligeiramente abaixo de 10.

10. Perfeito

Pouquíssimos jogos terão um review perfeito. Serão aqueles que conseguiram unir jogabilidade espetacular, gráficos exuberantes para sua geração, ideias revolucionárias executadas com maestria e capacidade rara de agradar o público.

Exemplo: Gran Turismo.

9. Fantástico

Um jogo fantástico não chegou à perfeição por muito pouco. Tal como os perfeitos, eles conseguiram explorar muito bem todas as propostas de design de seu estilo, garantindo muita diversão. Talvez tenham escorregado em pontos mínimos.

Exemplos: Samurai Shodown (Neo Geo), Street Fighter II: The World Warrior (SNES).

8. Ótimo

Você vai se lembrar de um jogo ótimo depois de jogá-lo só uma vez. Apesar de não serem perfeitos, eles foram muito longe, apresentando mescla acima da média de qualidades que fazem dele excelente opção para seu respectivo sistema.

Exemplos: Alien vs Predator (arcade), Mr. Bones (Sega Saturn).

7. Muito bom

Esses jogos sem dúvida merecem sua atenção e tempo. Alguns podem não ser exatamente os mais criativos ou bem executados do gênero, mas como um todo são consistentes no resultado que entregam, entrando na lista de boas recomendações.

Exemplos: Beyond Oasis (Mega Drive), Cadillacs and Dinosaurs (arcade).

6. Bom

Um bom jogo é aquele que atinge alguns objetivos e provavelmente vai agradar a maior parte do público. Por outro lado, não escapou por muito da mediocridade, sendo indispensáveis só para quem realmente gosta do estilo, franquia, etc.

Exemplos: Shenmue 3 (PC), Road Rash 64 (Nintendo 64).

5. Medíocre

Medíocre vem de médio, exatamente o que esses jogos são. Eles não acrescentam muito a seus gêneros, mas também não afundam na lama. Alguns podem ter ótimas qualidades ao lado de outras muito inferiores à média.

Exemplos: Duck Hunt (NES), Altered Beast (Mega Drive).

4. Ruim

Nem sempre um jogo sai como o produtor gostaria, tropeçando em muitas das características essenciais. Talvez, muito talvez, eles tenham alguma coisa que mereça um elogio pelo esforço, mas no geral não valem seu tempo.

Exemplos: ClayFighter (SNES), Jingi Storm (arcade).

3. Muito ruim

Se jogos ruins tropeçam em características que poderiam salvá-lo, outros se saem ainda pior, engasgando até nos pontos mais basilares do gênero. A recomendação é passar longe (a não ser como curiosidade ou talvez saudosismo).

Exemplos: Superior Soldiers (arcade), Fighting Masters (Mega Drive).

2. Péssimo

É difícil explicar por que a produtora perdeu tempo e dinheiro criando esses jogos. São uma sequência de erros tão séria que melhor seria se não tivessem existido, poupando você (e nós) de uma experiência tão desagradável.

Exemplos: -

1. Lixo

Não jogue. Não compre. Não perca seu tempo. Ninguém sabe a razão desses jogos existirem, nem os produtores. Não nos responsabilizamos por experiências traumáticas, crises de riso/choro e outras reações inesperadas.

Exemplos: -