Atari VCS será lançado em novembro – com preço similar a PS5 e Xbox Series S

Pira, pirá, pirou..

0
345
────────── Publicidade ──────────

Parece que dessa vez sai. Depois de longa campanha e alguns atrasos, finalmente o novo console da Atari será lançado em novembro. Você deve lembrar do Atari VCS – falamos dele várias vezes nos últimos anos.

Financiado por campanha no Indiegogo, o aparelho define o retorno da marca clássica após décadas num tipo de limbo dos videogames. Inativa desde o Jaguar CD, de 1995, mas sempre lembrada pela fase áurea do Atari 2600 [história], a empresa trocou de mãos, decretou falência e renasceu como um arremedo do monstro que um dia foi. Mas nunca saiu do imaginário dos jogadores, especialmente mais velhos.

Justo para quem um dia dominou o mercado.

atari vcs black walnut
Atari VCS finalmente vai chegar, mas o preço...

O VCS foi se revelando desde o teaser de 2017 ainda como Ataribox. O resultado mistura videogame com computador e um quê de set-top box, com visual inspirado no Atari 2600. Vai rodar mais de 100 clássicos do console de 1977 e de arcades, incluindo Pong, Asteroids e Centipede, além de jogos novos. Mas também funcionará como PC em que o usuário poderá instalar um sistema operacional entre Linux, Windows, Steam OS e Chrome OS.

É bonito, né? Tem um lance nostálgico com certa elegância moderna. O novo controle parece ótimo. Quase um mix de passado e futuro.

O problema é...

O preço (desculpe você ryco que não liga pra esse detalhe). O pacote que inclui o VCS com 8 GB de RAM DDR4, armazenamento de 32 GB, um controle sem fio, um controle clássico e o pacote de cem jogos sai por nada menos que US$390.

Para comparação, o Xbox Series S, versão light da nova plataforma da Microsoft, chega no próximo dia 10 por US$299. A versão digital do PlayStation 5, agendada para o dia 12/11, custa quase o mesmo que a maquininha da Atari: US$399.

Fora fãs com dinheiro sobrando em tempos de crise mundial pós-Covid, muita gente vai investir?

Os caras estão confiantes. Falando ao Bloomberg, o CEO Atari, Frederic Chesnais, acredita que o VCS achará seu público apesar de nascer junto com as máquinas que moldarão a próxima guerra e a nona geração de consoles. "Temos a marca, temos seguidores – acho que vamos conseguir alguma atenção de qualquer forma".

Diferenciais

O novato vem com características próprias. Uma delas é a interação com uma criptomoeda da própria Atari. O sistema chamado de Atari Tokens permitirá o uso delas para compra de jogos e conteúdos in-game em várias plataformas. Deve estar disponível desde o começo, mas a Atari trabalha em outra versão, por enquanto chamada de "stablecoin", menos vulnerável a variações.

Na próxima quinta-feira, o portal Bitcoin.com começará a venda pública de US$1 milhão em Atari Tokens ao valor de US$0,25 cada.

Outra diferença é o preço dos jogos. Segundo Michael Arzt, COO da Atari, deverão custar entre 3 e 25 dólares. Compras com Atari Tokens dentro dos jogos devem ser renda importante no modelo de negócio que planejam. Como isso afetará a jogabilidade, só esperando pra ver.

Competição desigual?

Que um retorno da Atari ao hardware merece atenção, ninguém duvida. Mais de 11 mil pessoas fizeram o pedido do VCS pelo Indiegogo, com mais de US$3 milhões arrecadados. O interesse é real.

Mas com esse preço ficam interrogações. Qual o tamanho do público que a Atari realmente espera atingir? O VCS parece fazer pouco sentido exceto para seu nicho: fãs da marca. Se não bastarem para manter o sistema de pé – gastando e atraindo desenvolvedores –, é um futuro preocupante.

Chesnais admite que a competição da Atari não é com Xbox ou PlayStation, mas talvez com dispositivos móveis. A inserção das criptomoedas é uma aposta que pode ser o jackpot.

"Veremos como vai funcionar", disse Chesnais. "Não precisamos vender milhões no começo, é um esforço de longo termo".