RPCS3, emulador de PlayStation 3, atinge ponto em que todos os jogos iniciam

O RPCS3, mais conhecido emulador de PlayStation 3 em desenvolvimento, atingiu um ponto importante da caminhada. Como divulgado no Twitter do grupo ontem, todos os jogos lançados para o console da Sony ao menos iniciam.

É bom notar que iniciar não significa jogar. Dos quase 3200 títulos disponíveis para o sistema, mais de 2 mil estão em estado Playable – você já pode jogá-los do início ao fim, sem grandes problemas.

Os demais se dividem entre diversas condições. Alguns iniciam mas travam logo (Ingame), outros não passam das telas de título e menus (Intro) e outros, no status Loadable – apenas 0,19% do total – dão boot no console virtual, mas ficam com a tela preta.

E acredite: é um progresso sair de nada para Loadable.

playstation 3
Playstation 3: todos os 3233 jogos conhecidos do console agora ao menos iniciam no RPCS3.

"Estamos felizes em anunciar que o RPCS3 agora tem um total de ZERO jogos no status Nothing!", diz a mensagem, referindo-se aos games que não tinham qualquer reação.

"Isto significa que todos os jogos e aplicativos conhecidos ao menos carregam no emulador, sem regressões que evitem [outros] jogos de carregar. Esperamos agora esvaziar a lista do Bootable também!"

Progresso

O RPCS3 é um projeto antigo. Iniciado em 2011, teve alterações no time de design com o tempo, mas parece andar a passos ligeiros desde o fim da vida comercial do PlayStation 3, em 2016.

No fim de 2019, o RPCS3 estava na versão 0.0.8 Alpha, com 1430 games em estado jogável. Em pouco mais de dois ano, o número subiu para 2054. Se conseguiram manter essa média, em meados de 2023 é provável que 99% do acervo do console esteja jogável.

Usar o RPCS3 no PC requer um bom hardware. Em meus testes há quase um ano, uma GTX 1050 mal deu conta de jogos simples. Portanto, não espere desempenho aceitável perto disso. O emulador, de código aberto, pode ser baixado gratuitamente no site do projeto.

Importante lembrar: o uso de emuladores não é crime, seja de pirataria ou qualquer outro. O tema já foi discutido na justiça (relembre o caso Sony vs Bleem). Não acredite em quem disser o contrário. Baixar jogos, ISOs e outros softwares sob direito autoral, é outra história.

Daniel Lemes
Fundador do MB, quase mil artigos publicados em dez anos pesquisando e escrevendo sobre games. Ex-seguista, fã de Smashing Pumpkins e Yu Suzuki.

Deixe seu comentário

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui

Mais recentes

Mais lidas