Personalização de videogames 1: Mega Drive III “Hexagon”

Como ficou um Mega Drive III estropiado de R$35,00 com um pouco de limpeza e tinta.

4
1138

Como a maioria dos leitores, jogo videogames desde bem novo, tive o primeiro aos 8 anos. Sempre tive também certo envolvimento com artes; estudei pintura e desenho na adolescência (só pra descobrir meu péssimo nível) e curiosidade por eletrônica (comecei a estudar por volta dos 20, mas não completei).

Então descobri o mundo dos videogames personalizados e mods. Num tempo em que máquinas do passado estão capengando por aí, mal cuidadas após anos de "combate", podia satisfazer o Sr. Artista Fracassado e ainda recuperá-los. Era como unir o melhor dos mundos.

Ou tentar recuperar, já que não tenho experiência quase nenhuma com recorte de plástico, serigrafia ou tinta spray: a única vez em que usei spray na vida foi lá pelos 14 anos, quando inventei de pintar minha magnífica Caloi Cross preta de amarelo (sem desmontar ?).

Como peguei um Mega Drive III funcionando mas em estado lamentável de conservação, resolvi que seria uma boa primeira vítima. Funciona 100%, e a carcaça não tinha qualquer parte quebrada ou faltando. Mas de resto, muito ruim. Hora das tintas entrarem em ação pra trazer o bicho de volta à vida, ou acabar de matá-lo.

Assim inicio a seção Personalização de Consoles aqui no MB. Nele, vou mostrar etapas de cada console recuperado, desde sua condição geral inicial, o processo do projeto com o resultado desejado, materiais, procedimento e resultado. Não esperem que cada um será de cara algo ao nível desse cara, porque ele ou já tinha grande experiência com pinturas similares, ou deve ter apanhado bastante até chegar lá.

Estado inicial

O projeto alfa da seção será com nosso amigo Mega Drive III, fabricação 1995 da Tectoy. O Meguinha custou aceitáveis R$35,00 + frete no Mercado Livre. Pelo estado que se encontrava, talvez tenha sido até caro.

Logo de cara, são notáveis vários riscos na carcaça, além de muita sujeira. O mais bisonho é que havia algo parecido com TERRA, uma substância vermelha nas reentrâncias. Provavelmente o infeliz ficou exposto ao tempo, provavelmente numa cidade de interior (veio de Lençóis Paulista, em São Paulo).

Menos mal que a tampa da conexão do Sega CD veio junto.

Se por fora estava assim, será que por dentro estaria melhor? Como eu já o havia testado, sabia que ao menos os componentes estavam lá, mas nada garantia que a placa não era semi-sucata, cheia de emendas e pontes pra todo lado, ou ferrugem, aranhas, etc.

Uma chave e alguns minutos depois...

Tudo no lugar, menos mal. Havia bastante sujeira dentro do videogame; uma sujeira marrom, que parece mistura de terra com oxidação, e até umas casquinhas de algum inseto que não sei e nem quero saber qual era ?.

O modelo é de fonte interna, e ela estava ok. Mas o cabo de energia certamente não era mais o original, sendo trocado num serviço bem porco: uma perna ficou mais curta, fio retorcido, e tudo emendado com uma fita branca de segurança mais que questionável.

mega drive usado desmontado

Ao remover a placa para liberar a parte inferior do Mega (procedimento no qual arrebentei alguns fios que ligam a fonte a fusível, ótimo), mais sujeira ainda. Acredito que a troca do cabo deve ter sido feita há muitos anos, pelo estado de "abandono" em que o interior se encontrava. Ele não devia ser aberto há dez anos, no mínimo.

Com a base desmontada, hora de ir para as partes menores, como o suporte do cartucho. Ele é simples, apesar das molas sempre matreiras. Cuidado se fizer com o seu, porque se quebrar a mola, é meio chato achar ou fazer outra igual.

Cuidado também pois o suporte tem dois pinos de cada lado, que fazem a fixação da porta "abre e fecha" quando o cartucho passa; se quebrar um daqueles pinos, a tampa não fica mais legal. Infelizmente descobri que um deles estava faltando, por isso a tampa estava meio mole. Nada que comprometa muito, felizmente.

Agora sim, com tudo desmontado, é hora de começar a trabalhar.

Uma boa limpeza, com água e sabão ou detergente. Enfie tudo num tanque ou bacia e com uma bela escova tipo esponja de coco ou outra de cerdas, lave tudo. Tire qualquer etiqueta que quiser preservar antes, como a do controle de qualidade da Tectoy (removi a minha, mas ela estava péssima, então tive que redesenhá-la no Photoshop caso resolva reimprimir).

É importante que você remova qualquer sujeira gordurosa, porque na hora de pintar elas podem arruinar tudo, isso é padrão de recomendação para tintas em geral. Deixe tudo secando à sombra ou ao sol mesmo, deixei o meu uns 15 minutos sob sol forte.

mega drive lixado

Se seu console está com arranhados profundos, pode ser necessário aplicar alguma cobertura como seladora ou primer, mas como a maioria dos meus eram superficiais, preferi lixar direto no plástico, com uma lixa BEM fina (usei lixa d'água 1200, mas poderia ser mais grossa). É trabalhoso, mas lixando com cuidado os riscos vão desaparecer — assim como logotipos e o plástico também perde o brilho, mas isso não importa pois a tinta vai cobrir tudo.

Depois de vários minutos de trabalho com a lixa, ele ficou todo opaco, mas os arranhados se foram. Deixe o console secar TOTALMENTE.

Projeto gráfico

Antes de qualquer tinta, é uma boa rascunhar no computador. Apesar de nunca dar o mesmo resultado, serve para desenvolver ideias antes de gastar material ou fazer alterações sem volta, afinal a vida real não tem Ctrl + Z.

Usando o Photoshop e o Illustrator, decorei dois modelos do Mega Drive com um motivo em hexágonos, ideia meio nada a ver mas que visualmente me agradou. Além disso, seria fácil para recortar. Baixei a ilustração vetorial do Mega Drive em algum lugar que honestamente não lembro (algum desses sites de recursos free para designers), separei as partes em camadas e fui colorindo cada uma como queria.

Para facilitar, escolhi uma base preta com destaques em vermelho e em vez de recolocar as letras originais, vamos adotar o logo japonês do Mega Drive na parte inferior, e um "MEGA DRIVE" com as letras da versão europeia (não foi inserido no sketch abaixo).

mega drive projeto 1
Modelo vetorial.

Ilustrei também um modelo realista, e ficou bem próximo do que seria o resultado final. As letras MD estão exatamente onde planejei, mas por distração, não executei na hora da pintura.

modelo projeto mega drive
Modelo fotorrealista. Bem parecido com o finalizado.

Fiz outros modelos, mas como seriam mais dispendiosos de tempo e tintas, optei pelo vermelho e preto mesmo. Devo tentar algo com prata e vermelho mais pra frente. Gostei também do verde, lembra pele de cobra, meio brega mas visualmente interessante. Mas teria que trocar o LED, e não tenho um e nem estou com vontade agora.

Pra quem estiver afim, o LED pode ser facilmente trocado, o AliExpress tem de toda cor aos montes, ou no Mercado Livre se tiver pressa e topar gastar um pouco mais. Conhecimentos de soldagem exigidos são mínimos: só soltar o vermelho original e colocar o novo no lugar. Atente também à voltagem máxima do LED pra não queimar.

mega drive projetos

Letreiros

Pra refazer as letras temos opções, mas queria tentar algo que não vi por aí: uma máscara simples de vinil recortada em plotter. Será que o vinil suporta a tinta?

Crie o letreiro, envie para a plotter com o tamanho que você precisa e recorte uma máscara, que será aplicada sobre o console. Não vou entrar em detalhes porque depende do seu modelo de plotter, mas é só medir o tamanho dos logotipos que precisa, criá-lo com o tamanho exato no software e enviar para o recorte.

Cuidado com o tamanho. Pelo menos na minha máquina (uma Silhouette), cortar o logotipo da Sega proporcional ao original do Mega Drive foi impossível, porque as pequenas frestas dentro da letra ficariam muito finas, e a lâmina acaba mastigando e ferrando tudo. Por isso fiz o logo um tanto maior, e ainda assim essas frestas ficaram bem frágeis. Se seus letreiros tem partes vazadas (como o A e O, com uma parte cercada, se é que você entendeu), será preciso aplicar o adesivo mais tarde com uma máscara de aplicação, senão dá pra só retirar do papel e mandar no console direto.

Tentei cortar um "16-BIT", mas ficou uma droga, então me contentei com alguns: o "Mega Drive", um logo do MB, o logo japonês do Mega Drive, e o logo da Sega, além do padrão hexagonal.

Note que alguns vinis tem maior elasticidade (poliméricos), permitindo contornar superfícies irregulares e curvas. É o ideal no nosso caso; quando estiver aplicando, use um secador de cabelo na temperatura bem quente e o adesivo "abraçará" as curvas.

Pintura

Tem um monte de tinta para plástico que você pode usar. Já vi muita gente usando tinta automotiva sobre uma base e fica excelente, mas queria testar a tinta específica para plástico, a (sem jabá, infelizmente) Colorgin Plásticos. Como vou pintar também um controle velho de Xbox 360, comprei nas cores preto, vermelho malagueta e prata (R$25 cada, um roubo do *aralho, já que um mês atrás o preço era R$17 na mesma loja; quase 50% de aumento em um mês).

Pinte conforme as recomendações do fabricante, ou seja: máscara, luva e o que mais tiver de proteção. Não seja burro como eu, que pensei "não preciso de luva, sou cuidadoso" e fiquei com a mão imunda. As partes menores, como botões, podem ser fixadas num palito de churrasco pra facilitar o manuseio. As grandes, não adianta colocar numa superfície e pintar de longe, as bordas não ficam legais. O ideal é enluvar a mão mesmo e mandar tinta com calma, em movimentos contínuos e numa boa distância.

Não tente pintar de uma vez e já ir cobrindo a cor original na primeira demão — vai escorrer, acumular tinta e arruinar tudo. Na primeira demão, a cor preta da parte inferior do Mega Drive mal foi coberta pelo vermelho, e assim é o certo. Aplique várias demãos, sempre com paciência e "nuvens" de tinta. No caso da Colorgin, são pelo menos 2 minutos entre demãos. Para o vermelho cobrir legal a parte inferior, foram umas seis demãos, sempre finas.

Atualização: não espere muito tempo entre as demãos, ou o acabamento fica mais áspero. Siga as recomendações da lata, que no caso da Colorgin Plásticos, é de poucos minutos.

Papo sério, use máscara de proteção, e nem pense em pintar em ambientes fechados. O cheiro dessas tintas é infernal; mesmo após horas, parecendo seco e pronto, continua exalando gases. Depois de terminar, deixe o videogame no mínimo 24 horas FORA DE CASA, de preferência até mais.

Não vou postar fotos dessa etapa porque é simples: pintar conforme as recomendações. A parte superior pintei em preto (um preto bem mais bonito que o original desgastado do Mega) e a base em vermelho, assim como a tampa da porta de expansão e os botões Reset e On / Off.

Pintando as letras

Secou? Então vamos à próxima etapa. Aplique seus logotipos em vinil sobre o videogame, com muito cuidado pra ficarem bem alinhados. Depois de aplicar os adesivos, proteja o resto com papel ou fita crepe. O videogame vai ficar igual uma múmia de fita crepe, só com as partes das letras expostas, como queremos.

Certifique-se de que cada parte do adesivo está bem aderida ao videogame, pressionando com os dedos. De novo, letras pequenas e com partes finas vão dar trabalho, quase perdi o logo da Sega ao aplicar.

Aplique a tinta vermelha, de novo em movimentos constantes laterais e numa nuvem de tinta. Três demãos no máximo devem resolver, até porque se colocar muito o contorno das letras fica alto e grosseiro.

Deixe secar algumas horas antes de remover as fitas e máscaras. Tire com cuidado pois bordas da letras ainda podem estar meio moles. Veja como o contorno delas tem um brilho: é porque devo ter exagerado de leve na tinta.

O segundo adesivo, dos hexágonos, deve ser colado de preferência com ajuda de um secador de cabelo, que vai amolecer o plástico a ajudar a contornar bem as curvas da superfície do Mega Drive. Como não quero pintura na parte oval, preocupei-me menos com aquela parte, pressionando melhor nas outras. Nessa parte, não segui o modelo que havia desenhado no Photoshop e coloquei as formas em outra posição. Veja que o adesivo ficou mais para um lado, e todo o resto foi protegido por papel e fita crepe.

Mandei tinta vermelha por cima, como sempre em camadas finas. Não foram tantas demãos quanto na base do videogame, acho que três. Isso resultou em alguns hexágonos mais "apagados" na lateral, mas tudo bem.

Espere secar pelo menos 1 hora e retire as proteções e a máscara de vinil.

Resultado

Ficou bem similar ao que havia sido projetado no Photoshop, com o defeito principal do logo japonês do MD ter ficado torto (cagada monstro minha na hora de alinhar o vinil) e fora do local planejado, falha a ser corrigida nas próximas vezes. O logo do MB também não ficou tão bacana, com o contorno da letra M meio torta — aqui é culpa do adesivo que enrugou durante a pintura.

Avaliação

Com o trabalho de pintura finalizado, o que aprendi no processo:

  • USE MÁSCARA! USE LUVAS! USE MÁSCARA! USE LUVAS!
  • O adesivo em vinil não parece ser o ideal, ou a qualidade não era a necessária: partes enrugaram durante a pintura, o que fez a letra M ficar com a borda torta. Não suportou a tinta de forma adequada. Vou buscar outras técnicas.
  • Muitas demãos, sempre finas.
  • Mantenha a lata longe do videogame, ou estará sujeito a dois problemas: acúmulo de tinta num lugar com possível escorrimento, e gotas mais grossas ocasionalmente espirradas da válvula já cheia de tinta.
  • A textura da tinta não ficou lisa como eu esperava. Ainda não identifiquei o problema; há quem diga que só com tintas automotivas e de melhor qualidade vou conseguir um acabamento ideal, mas não acredito que um fabricante como a Colorgin faria algo que não dá resultado decente. Atualização: um dos fatores a considerar aqui é o tempo entre demãos. Com três peças feitas, notei que com menos tempo entre elas, o resultado melhora sensivelmente.

Pós-pintura

Com a pintura finalizada, trabalhei na recuperação da placa: limpeza e ressolda de fios da fonte que se soltaram. Foi tudo tranquilo. De quebra, aproveitei para cortar a abertura do cartucho, assim jogos japoneses podem ser inseridos no slot (ainda não chaveei, mas jogos de região livre estão realmente livres).

Com o videogame já remontado, esse é o resultado final:

mega finalizado

Próxima vítima: Nintendo 64...

Artigo anteriorClássicos de SNES no New 3DS a partir desse mês
Próximo artigoCVGV #3: o ladrão de cartucho, ou “não empreste jogo de locadora”