O que é emulador? Introdução e grande lista de opções

Uma lista de emuladores de videogames que você pode confiar. Todos testados e aprovados.

3
4220

Nunca ouviu falar de emulador? Ouviu falar mas não sabe direito o que é ou como funciona? Quer jogar videogames antigos no computador mas não sabe como? Seja qual for a resposta para seu caso, esse artigo é pra você.

Vamos dar uma passada básica no funcionamento desses programas, e sugerir opções para reproduzir as funções de praticamente todos os videogames da 5ª geração para trás.

Importante: há uma questão de direito autoral envolvendo o uso de emuladores, já que, exceto em games gratuitos como homebrews, a cópia de outros é geralmente considerada ilegal. O artigo não incentiva ninguém a violar leis, lembrando que o emulador em si não fere direito algum, mas só a cópia e reprodução de jogos, bios e demais softwares sem autorização. Para saber mais, leia nosso artigo sobre legalidade da emulação.

O que é emulador?

É um software que simula um ambiente dentro de outro. Com um emulador você pode simular as instruções dos processadores do Super Nintendo, por exemplo, através de software rodando em seu computador, celular, videogame, etc; é como colocar as funções do videogame "montadas" no sistema-cavalo, que roda o emulador.

O emulador pode executar games cujos dados foram convertidos em arquivos legíveis por ele (ROM, BIN, ISO, etc); os dados são geralmente os mesmos que estavam gravados nos cartuchos e CDs originais, e vão "rodar", se o emulador foi bem escrito, exatamente como o hardware original faria.

Talvez você conheça ferramentas como o VirtualBox, aquele programa que muita gente usa pra rodar um sistema operacional dentro do outro (tipo Windows XP dentro do 7, etc). Não é exatamente a mesma coisa (virtualização), mas parecido.

Qual a diferença de virtualização e emulação?

Na virtualização, é o "sistema-cavalo" que faz a maior parte do trabalho. Com isso, a perda de desempenho em relação ao ambiente real é de no máximo uns 10%. Já na emulação tudo é feito pelo emulador, e então passado ao "cavalo", com grande perda de desempenho.

Para você ter ideia, a emulação só começou na era dos processadores 486 (início dos anos 90), pois antes nenhum era capaz de lidar sequer com as instruções do arcaico Atari 2600. O Saturn, mesmo sendo antigo (lançado na metade dos anos 90), mal funciona sobre um Core 2 Duo, como verá mais adiante.

Então por que não "virtualizar" esses videogames também?

Porque não dá pra montar um sistema muito diferente do "cavalo", essa é a vantagem da emulação que permite recriar todos aqueles videogames totalmente diferentes num único computador sem mudar uma peça sequer. Já rodar um Windows XP dentro do 7 e afins é mais simples, afinal foram feitos para aquele mesmo tipo de hardware.

Como usar no emulador um cartucho ou CD que tenho em casa?

O emulador não vai ler o jogo direto da mídia original se ela for um cartucho. Até dá com equipamento que pouca gente tem em casa, mas fica meio impraticável. Pra facilitar o acesso ao que está gravado no cartucho, é preciso "dumpar" (aportuguesada para memory dump, ou dump, despejo) seus dados, ou seja, copiá-los para um arquivo que será armazenado no computador e enfim usado no emulador. O equipamento para isso não é muito barato e requer conhecimento técnico.

Assim, os jeitos são:

  1. Conhecer alguém que faça o procedimento com seus carts pra você.
  2. Encontrar na internet o arquivo pronto e baixá-lo.

Entra aí a questão legal: meio mundo diz que você pode usar os dados copiados desde que tenha a mídia original; o outro meio mundo diz que não, só pode ser usado para armazenamento. E outro meio mundo (150%, eu notei) diz que nem pra guardar você pode copiar. E todos concordam, claro, que é ilegal usar software copiado sem ter posse dele "de verdade".

Já com CDs a história é outra: você pode usar um ISO, BIN ou outro formato dos dados copiados, mas a maioria dos emuladores equipados com o BIOS rodam o disco original direto da sua unidade de CD/DVD. Uma honrada substituição ao console? Quase.

O que é BIOS?

Basic Input / Outup System. Simplificando bem, carrega o básico de dados que faz sistemas funcionarem. É obrigatório em emuladores de videogames em disco digital e também um ou outro que usava cartucho. Sabe aquela tela do Sega CD com o logo girando e o tocador de CD, ou as telas de configuração do PlayStation sem disco? Sem o BIOS nada daquilo existe.

O problema é que esses BIOS são também software, protegidos por direito autoral, por isso não podemos sair pegando todos à vontade. Pra rodar jogos do Saturn, Sega CD, Gamecube ou seja qual for a máquina que exige BIOS, legalmente temos que possuir o console de verdade.

Portanto...

Se você curte a ideia de uma jogada rápida via emulador, mas não aprecia violar leis de direito autoral, fique longe. Não endossamos nenhum tipo de ilegalidade. Como diria o poeta, "não faça o que eu faço, faça o que eu digo".

Mas se já tem as máquinas e prefere ficar no computador em vez de lidar com cabos e outras complicações, vai aqui uma lista com tudo que precisa para emular diversos consoles. Como manda a "política da casa", videogames antigos: nada de PS3 e afins — um deles aí até emula o Wii, mas só está na lista porque emula o Gamecube.

Todos foram testados. Por sinal, com um PC longe de ser supermáquina: single core 2 GHz, 2 GB de memória e vídeo onboard ?.

Em tempo: esse post veio pra ser um guia para quem não conhece emuladores e está procurando os que funcionam, mas não é sobre pirataria ou violação de direito autoral. Portanto, peço que não perguntem coisas como "onde acho BIOS de tal emulador pra baixar?", "onde acho ROMs de jogos pra baixar?" ou "como faço pra copiar um disco do meu amigo e jogar nesse emulador?", pois terei que apagar esses comentários. Pergunte isso ao Google, ele sabe tudo.

Isso posto, vamos aos emuladores.

Kega Fusion

Plataformas: Sega SG-1000, SC-3000, SF-7000, Master System, GameGear, Mega Drive, Sega-CD, 32X, 32XCD, GameGear, Sega Pico.

Emulador FusionSuper emulador mais que completo, abrange uma porrada de videogames da Sega. Faz coisas boas como emular o chip SVP (de Virtua Racing), Game Genie, além de ser compatível com jogos feitos para periféricos como a Menacer.

Emula games de Sega CD tanto rodando do disco quanto de imagens (ISO). Note que assim como os aparelhos de verdade, a compatibilidade de regiões tem que ser observada: se seu CD for nacional, vai precisar do BIOS americano e não funcionará com BIOS japonês ou europeu.

Permite também jogos em rede, tem filtros de vídeo, adaptadores de 4 jogadores, etc. Conta com um fórum onde você (se entender um pouco de inglês) pode tirar dúvidas, encontrar filtros novos, etc. Tudo que um fã da Sega precisa para matar saudade sem dó dos anos 80 e 90.

Leia também → Emuladores: como jogar videogames da Sega no Kega Fusion

Opção: Gens

Plataformas: Mega Drive, Sega-CD, 32X

Compatível com cerca de 97% dos jogos (92% rodam com perfeição). Apresenta quase os mesmos recursos do Kega, exceto pela lista de plataformas que emula, bem menor. Permite jogos em rede via Kaillera. Começou meio fraco mas nas últimas atualizações ficou melhor. Também tem fórum e continua em desenvolvimento.

Página inicial do Gens

Mame UI

Plataforma: Arcades.

Emulador MAMEUI

Surgido em 1997, talvez seja o mais popular dos emuladores multi-arcade, sempre recebendo atualizações que trazem mais jogos compatíveis e melhorias no código. Sigla de Multi-Arcade-Machine-Emulator.

O MAME UI é uma versão "amigável" do MAME original, esse mais complicado para quem não tem intimidade com linha de comando. Com uma interface orientada por ícones, o uso é tão simples quanto qualquer outro programa. Quem tem conhecimento elementar de informática consegue lidar com a lista de games e iniciá-los numa boa.

Como a maior parte do pessoal não está a fim de brincar com linha de comando e quer mesmo é jogar, me parece a melhor opção. Se tiver bastante espaço em disco, conseguirá organizar sua coleção de um jeito incrível, com os pacotes de miniaturas não só da tela mas de fotos dos arcades, painéis e ícones. Coisa pra fã mesmo.

Leia também → Emulando Velharias: como jogar arcades no PC com o MAME Plus

Nota sobre CPS3

A placa CPS3 da Capcom teve pouquíssimos jogos, mas a presença de Street Fighter III é o bastante para colocá-la na rota de interesse. No MAME dá pra emular esses jogos tranquilamente, e como são poucos, nem compensa ter um emulador específico.

Já aviso que é um saco encontrar certos arquivos como os CHD, requeridos para rodar games do CPS3. O CHD deve ser exatamente da versão (americana, japonesa) do jogo, se não casar perfeitamente ROM e CHD, não funciona. Um saco.

Mas como em meus testes o MAME apresentou problemas ao rodar Street III New Generation, sugiro também...

Opção: CPS3emulator

Eficiente e cheio de recursos. Basta criar uma pasta "chd" e outra "rom" na pasta de instalação e colocar os arquivos lá.

Página do CPS3 Emulator

FreeDO

Plataforma: 3DO (requer BIOS).

Emulador FreeDOExcelente emulador de 3DO, console da Panasonic que ficou mais conhecido pelo elevadíssimo preço no tempo em que era top (vulgo videogame de playboy). Pior é que o preço não compensou a pouca quantidade de bons games como Gex, Need for Speed, um port bem decente de Road Rash, outro excelente de Super Street Fighter II Turbo e só isso.

Em desenvolvimento desde 2002, o FreeDO não tem opções muito complexas de ajuste, o que pode até ser bom: só carregar o disco ou imagem no emulador e jogar. Para funcionar exige a BIOS do 3DO, que não está incluída no pacote de download.

Roda muito bem mesmo em máquinas não tão modernas. Emulador simples e eficiente.

Stella

Plataforma: Atari 2600.

Emulador StellaMesmo quem não viveu aquela época gosta de pelo menos um jogo do 2600, o veterano que abriu caminho para todos os outros videogames domésticos (apesar de não ter sido o primeiro, foi o primeiro grande sucesso).

Você jovem leitor que nasceu na era da internet e PlayStation, talvez não consiga entender totalmente o impacto cultural desse vovozinho sobre o mundo do entretenimento digital. Nos anos 80 ele foi O Rei, muito mais que qualquer outro videogame visto até hoje. Não pense que ele foi só o "PlayStation do seu tempo", é pouco.

O Stella é o seu emulador mais conhecido. Originalmente desenvolvido para o Linux, hoje conta com uma equipe que toca o projeto adiante. Perfeito para saudosistas e os que querem conhecer um pouco da história dos games.

Leia também → Emulando Velharias: Como Jogar Atari 2600 com o Stella

kat5200

Plataformas: Atari 5200, Atari 800, Atari XL, Atari XE (requer BIOS).

Emulador kat5200A Atari lançou alguns videogames e computadores após o declínio de seu 2600, tentando recuperar força na geração seguinte, mas nenhum deles conseguiu sucesso nem de longe parecido com o anterior.

Entre esses aparelhos está o Atari 5200, cujos games eram só um pouco superiores aos do 2600. Vários são versões aperfeiçoadas de games que já haviam saído no outro, como o Pitfall aí do print. Mas não chega a ser uma grande melhoria não...

Lançado em 2005, o kat5200 foi o único emulador que consegui fazer funcionar sem muito esforço. Multi-sistema, conta com instalador, mas precisa do BIOS; procure na internet e coloque numa pasta dentro da pasta de instalação do emulador, depois indique o caminho para o arquivo no browse > bios.

ProSystem

Plataforma: Atari 7800.

Emulador ProSystemMais uma das aventuras sem final feliz da Atari nos anos 80, o 7800 foi a chegada da companhia aos 8-bit, para quem sabe brigar com Nintendo e Sega, que então já começavam a se engalfinhar.

Até era um videogame interessante, inclusive retrocompatível com a maioria dos games do 2600, mas NES e o Master System (muito mais o NES) não lhe deram qualquer chance de sucesso, fosse na América ou no Japão. Pra piorar, ainda sofreu concorrência "interna" dos irmãos "atarianos", que continuavam à venda.

O ProSystem é um emulador para o Atari 7800, só para Windows. Não tem opções como filtros de imagem ou coisas do tipo, mas é eficiente e com alta compatibilidade de jogos.

Project Tempest

Plataformas: Atari Jaguar, Jaguar CD (EEPROM opcional).

Emulador Project TempestPoucos se dão ao trabalho de escrever emuladores para um videogame tão desprezado como o lixento Atari Jaguar. Tinha nome pomposo, caixa bonita, design do aparelho até que bem legal, 64-bit (Nintendo 64 ainda levaria uns 2 anos pra chegar). Enganava bem.

Mas do que adiantava tudo isso se os jogos eram piores que os piores jogos de Mega Drive e SNES, alguns até de nível 8-bit?

Console ruim, emuladores idem. O único que funcionou direito e com facilidade foi o Project Tempest (só para Windows). Tem opção de emular o cartucho de memória do Jaguar (Eeprom) mas precisa de um arquivo e nem tive paciência pra isso. Não tem tantas opções de ajuste como o Virtual Jaguar, mas é mais rápido e suave na emulação.

Opção: Virtual Jaguar

Exige instalação prévia de um framework na versão Windows 32-bit, mas é mais completo, com versões para Linux e Mac, filtros de vídeo e tudo mais. Pra usuários de Windows recomendo o Project Tempest mesmo, mais simples e direto.

Página do Virtual Jaguar

Handy

Plataforma: Atari Lynx (requer BIOS).

Emulador HandyMais um da Atari, dessa vez um portátil 8-bit que inovou ao ser o primeiro com tela colorida. Lançado no mesmo ano do monocromático Game Boy, acabou não tendo o mesmo apoio de desenvolvedores que o pequeno gigante da BigN. Foi descontinuado logo em seguida.

Inovou em vários aspectos, como no layout ambidestro, possibilidade de conectar até 17 aparelhos e na possibilidade de aplicar zoom e distorção aos pixels, gerando efeitos de falso 3D.

Um dos únicos emuladores que funcionam bem para o Lynx é o Handy. Acompanha o pacote um arquivo de BIOS falso; quando conseguir o original, descompacte-o na pasta do emulador, substituindo o arquivo que estará lá.

MESS UI

Plataformas: Channel-F e inúmeras outras (requer BIOS).

MESSUIEsse é um multi-emulador pra valer: roda quase todas as plataformas que você possa imaginar, de computadores a videogames, Atari a Neo-Geo, passando por calculadoras, sistemas operacionais, PDAs... É um dos únicos a emular o Channel F, da Fairchild, primeiro videogame em que se podia trocar de cartucho. Jogos bem ruinzinhos, abaixo do padrão Atari 2600, mas vale como parte da história.

O ruim é que o MESS pode ser uma "bagunça" para usar (não resisti ao trocadilho). Não é tão simples como emuladores costumam ser, pelo menos para usuários comuns, já que é preciso achar a BIOS de cada sistema e colocar na pasta do programa; alguns consoles como o Mega Drive, Turbografx e Game Boy não requerem BIOS. Depois emula-se o hardware e dentro dele carrega-se o jogo.

Não gostei nada desse MESS UI, está longe da facilidade de uso do MAME UI, seu irmão de projeto. Com certeza vai afastar usuários casuais, mas se você manja das tecnologias ferozes, é completo.

Nota: o MESSUI é mais fácil de usar que o MESS por ter uma interface gráfica amigável. Ainda assim você terá algum trabalho para configurar o bicho.

ColEm

Plataforma: ColecoVision.

colEMLançado em 1982, o ColecoVision foi um grande videogame de sua geração, levando títulos do arcade como Donkey Kong aos lares com um nível de qualidade até então inédito.

Infelizmente para ele e a indústria de games em geral, os anos seguintes foram terríveis e a fabricante acabou ferrada, desistindo do setor três anos depois.

O ColEm é um emulador de ColecoVision facílimo de usar: basta colocar ROMs na pasta do programa, iniciá-lo e indicar qual será carregada. Tem recursos como ajustes de áudio e vídeo, scanlines, etc. Disponível para vários sistemas como Windows, Linux, Android, etc.

Kawaks

Plataformas: Neo-Geo, CPS 1, CPS 2.

Emulador winkawaksO Neo-Geo era o sonho de consumo dos jogadores dos anos 90, com seus cartuchões levando pra casa games idênticos aos arcades, incluindo sucessos da luta como King of Fighters, Samurai Shodown e Art of Fighting.

Com as CPS, placas de arcade da Capcom, não era diferente: simplesmente as "hospedeiras" de monstros como Street Fighter II e Final Fight.

Quer juntar as duas num único emulador? O Kawaks é o emulador para as plataformas favoritas de fãs de porrada virtual, que vai rodar todas essas coisas lindas no seu PC. Tem várias opções de configuração e jogos em rede com Kaillera. Para Windows.

Nota: quer jogar alguma coisa do CPS3? Tente o MameUI ou o CPS3Emulator, indicados mais acima.

NullDC

Plataforma: Dreamcast (requer BIOS).

Emulador nullDCO Dreamcast foi um console fantástico, o último suspiro da Sega na área de hardware doméstico (continuou produzindo placas para arcade como a Naomi). Com a crise que enfrentaram na época e a concorrência da Sony com os Playstation 1 e 2, acabaram desistindo dos consoles e os donos de DC ficaram na mão. Mesmo assim, foi reconhecido como inovador e poderoso, deixando uma legião de fãs.

Poderíamos dizer que o NullDC é um tipo de "emulador oficial" do Dreamcast, já que continua recebendo atualizações - ao contrário do bom Chankast, parado há tempos. Para jogar, você vai precisar da bios do Dreamcast — além, claro, de imagens dos jogos no formato .cdi ou discos.

VisualBoy Advance

Plataformas: Game Boy Advance, Game Boy Color, Game Boy

Emulador VisualBoy AdvanceA linha Game Boy foi por muito tempo quase referência única em videogames portáteis. Começando seu domínio com a grande distribuição e oferta de jogos do Game Boy clássico, passando pelo Color até chegar ao Advance, poucos conseguiram fazer algum barulho perto deles, como o Game Gear e o Lynx.

Como já indica o nome, o Visual Boy Advance é um emulador para o Game Boy Advance, e um pouco mais. Para jogar você só vai precisar de ROMs, sem maiores configurações, mas se quiser pode ajustar muita coisa como qualidade de vídeo, tamanho de janela, etc.

Roda também games do GB Color e GB. Resumindo: pacote completo para quem gosta de toda a linha Game Boy.

Opção: No$GBA

Plataformas: GameBoy Advance, Nintendo DS

Esse roda tanto o GBA (mas não o GameBoy tradicional ou o Color) quanto o Nintendo DS. Melhor ter esse e o VisualBoy Advance pra garantir ?.

Página do No$GBA

Dolphin

Plataformas: Gamecube, Wii.

Emulador DolphinO Gamecube marcou uma transição importante para a Nintendo: a passagem da tecnologia dos cartuchos para os discos digitais. Só pra contrariar o mundo e tentar evitar pirataria, resolveram adotar um padrão diferenciado para seus discos, com mini-DVDs de 1.5GB. Nessa máquina viu-se também o fortalecimento da parceria com uma rival histórica: a Sega, que como softhouse licenciou games do Sonic, algo inimaginável num passado próximo. Com a dura concorrência de Playstation 2 e Xbox, o NGC acabou amargando a terceira colocação no mercado americano.

O Dolphin é um emulador de Gamecube (e também Nintendo Wii) com muitas opções de configuração e ajustes específicos para certos jogos. Já vem pronto para usar, só vai faltar um ISO ou disco do jogo.

Se você não tiver um computador razoável (bastante memória, processador moderno e placa de vídeo mediana, isso para os jogos de NGC, nem testei a emulação de Wii), não vai rodar nada com velocidade decente. Na máquina single core rodou bem devagar, enquanto num Core 2 Duo E7400 foi um pouco melhor, mas ainda longe do ideal.

Nostalgia

Plataforma: Intellivision (requer BIOS).

Emulador NostalgiaProduzido pela Mattel, mais conhecida como fabricante de brinquedos eletrônicos, o Intellivision nasceu pouco depois do Atari 2600. Seus jogos não eram tão diferentes dos primeiros do concorrente famoso, mas teve sucesso modesto se comparado a ele.

Seu hardware pode ser considerado o primeiro videogame 16-bit da história, mas claro que só isso não faz um console: o clock, por exemplo, era menor que 1 MHz; o do Mega Drive era de 7.67 MHZ, e do SNES de 3.68MHZ (isso pra não citar outras especificações bem inferiores, como paleta de cores, RAM, etc).

O Nostalgia emula perfeitamente o filho único da Mattel, contando com instalador e muitas opções, incluindo função de jogar via rede. Completo. Para funcionar exige os arquivos exec.bin e grom.bin, que não devem acompanhar o pacote.

Opção: Bliss

Emulador simplíssimo e eficiente, como essa descrição.

Baixar Bliss

Neopop

Neo-Geo Pocket Color

Emulador NeopopA SNK não teve tanta sorte ou reconhecimento com portáteis quanto com o Neo-Geo. Apesar de seu pequeno conseguir espaço entre concorrentes da linha Game Boy (junto com o Game Gear da Sega, que tinha sucesso considerável), o lançamento do GBA, muito mais avançado, e o boom dos games Pokémon afundaram o barco do Neo-Geo Pocket Color, descontinuado com só dois anos de vida.

O Neopop é o melhor emulador para o 16-bit portátil da SNK. Simples de usar, basta colocar as ROMs de games na pasta de instalação do programa e começar a jogar.

Emula também jogos do Neo-Geo Pocket monocromático, versão anterior do Pocket Color.

Opção: NeoPocott

Tem versões para Mac, Linux, Dreamcast...

Baixar Neopocott

Project 64

Plataforma: Nintendo 64

Emulador Project64O 64-bit da Nintendo foi um dos videogames mais esperados. Uma enrolação que começou no início dos anos 90 com o "Project Reality", prometido novo console que poderia ser em CD, depois add-on para o SNES, até enfim virar uma máquina solo de 64-bit, usando a tecnologia revolucionária da Silicon Graphics.

Mostrou-se um aparelho interessante, mas os concorrentes já haviam abandonado os cartuchos que a Nintendo teimou em usar, e enfiar sons de alta qualidade e vídeos nos ROM carts era dureza. Parceiros importantes como a Square foram trabalhar com a Sony e o 64 terminou sem o mesmo prestígio das gerações anteriores da casa, e pior: afastando velhos amiguinhos da Nintendo.

Apesar dos pesares, surgiram jogos de alto nível no 64, e o ótimo emulador Project 64 vai trazê-los de volta. Conta com recursos que incluem suporte a mouse via USB e filtros. O projeto segue em desenvolvimento e a versão atual tem cerca de 98% de compatibilidade.

Opção: Mupen64

Para Windows e Linux, em versões 32 e 64-bit. Tem filtros de áudio e vídeo, e é um pouco mais difícil de usar (exige alguns ajustes antes de funcionar). Leia o arquivo de ajuda que explica o necessário (em inglês) e faça testes com cada configuração de vídeo.

Tem opção para menus em português. Se sua máquina não for das melhores, vá de Project 64.

Página do Mupen64

Nestopia

Plataforma: NES e (requer BIOS) Famicom Disk System.

Emulador Nestopia

O NES (também conhecido como Nintendinho ou pelos nomes de seus clones que surgiram por aqui) marcou um dos períodos de maior dominação de mercado já vista na história dos games, o todo-poderoso na geração 8-bit. Além de reerger o segmento, dado como morto depois do crash de 1983, também transformou a Nintendo em quase sinônimo de videogame.

O Nestopia é um dos melhores emuladores de  NES, com diversas opções de filtros e configurações de periféricos, além de jogos em rede via Kaillera. Suporta também jogos do Famicom Disk System, periférico exclusivo do Japão, mas onde surgiram alguns hits como Metroid (precisa da BIOS).

Perfeito para relembrar games que marcaram a infância de muitos, como Final Fantasy, Duck Hunt, Chip 'n' Dale, Mario Bros. e tantos outros.

Opção: FCEUX

Emulador bem similar ao Nestopia, também roda jogos do Famicom e do Disk System (com BIOS que não faz parte do pacote).

Página do FCEUX

Ootake

Plataformas: Turbografx-16, Turbografx-CD (requer BIOS para jogos em CD).

Emulador OotakeO Turbografx-16 não foi muito conhecido no Brasil, mas no Japão, como PC Engine, endureceu a luta contra o Mega Drive. Com um GPU duplo de 16-bit, tinha bons gráficos e vários títulos que saíram também no Mega com qualidade similar ou até superior.

Foi o primeiro a ter um add-on para jogos em CD-ROM, quase dois anos antes do Mega-CD. Apesar da acirrada disputa de marketing com a Sega, terminou como coadjuvante na guerra dos 16-bit. Tinha seus pontos contra, como uma única conexão de controle (quer jogar em dois? Compre um multi-tap). Rotulado como videogame 16-bit, seu CPU é 8-bit.

O Ootake é um emulador de PC Engine e Turbografx-16 compatível também com os jogos em HuCard e CD, se você tiver as BIOS necessárias. Muito completo, inúmeras opções.

ePSXe

Plataforma: Playstation (requer BIOS).

Emulador ePSXO Playstation dispensa apresentação: foi a estreia da Sony no mercado de games, em 1994, chutando a porta, levando a Sega de vez ao buraco e botando a Nintendo para comer poeira. Chegou assim simplesmente no meio da guerra e acabou com tudo.

Com jogos mais voltados ao público que parecia o certo num momento em que consumidores pareciam ter evoluído para outra faixa etária — a próxima dos 15 anos — e um hardware mais fácil de programar do que o Saturn (arquitetura complexa) e Nintendo 64 (cartuchos suportavam menos dados do que os CDs), o PSX disparou nas vendas, transformando a marca num monstro.

O ePSXe é um emulador fácil de usar e com todas as comodidades de filtros e configurações. Como sempre, você só vai precisar dos arquivos de BIOS e jogos de Playstation.

PCSX2

Plataforma: PlayStation 2 (requer BIOS).

Emulador PCSX2O Playstation 2 aproveitou a força da marca e um hardware potente para se consolidar como líder da geração seguinte. Títulos como Devil May Cry, GTA San Andreas, Guitar Hero, Pro Evolution Soccer e vários outros sucessos nasceram ou tiveram seu ápice no "128-bit" da Sony.

Com um começo vacilante, mais pela baixa oferta de aparelhos que por falta de consumidores, logo o PS2 foi ganhando títulos e tornou-se o videogame mais vendido da história (cerca de 140 milhões de unidade até hoje). A compatibilidade com o Playstation 1 ajudou muito no processo de fidelizar o público: quem já tinha dezenas de jogos do primeiro continuaria usando tudo na nova máquina.

O emulador PCSX2 é bem parecido com o ePSXe. Também requer BIOS e discos (ou imagens de jogos) para funcionar. Como esperado, não roda bem em máquinas mais antigas; em meus testes, processador de 2 GHz com 2GB de memória não foi o bastante; num Core 2 Duo E7400 com 4GB de RAM rodou melhor, mas ainda não a 100% devido ao vídeo onboard. Atualização: mesmo em vídeo offboard (uma HD7850), o processador não é suficiente, alguns jogos ficam a menos de 20 FPS. Indicado ao menos um Core i3.

É fácil de configurar com um assistente passo a passo. Basta colocar os arquivos nas pastas certas e o programa resolve tudo. Conta ainda com um fórum bem ativo e completo (em inglês).

JPCSP

Plataforma: PSP.

Emulador jpcspDe olho também no setor de portáteis, a Sony atacou com o PSP (Playstation Portable) em 2004. Belíssimo design, com tela super luminosa de 4.3 polegadas e recursos como acesso a internet wifi, reprodução de áudio e vídeo, além de jogos excelentes, e o bichinho já vendeu mais de 70 milhões de unidades.

Emular os jogos de PSP, que tem encriptação, é um problema, e a solução ainda está sendo desenvolvida. Um dos únicos emuladores para o PSP que tem alguma compatibilidade é o JPCSP, feito em Java. Como é um projeto em progresso, a lista de jogos vai crescer — ainda é bem reduzida, funcionando mais com homebrews e uns poucos jogos comerciais, nos formatos ISO e CSO.

Você DEVE ter o Java Runtime Environment instalado. Acredito que em alguns anos esse será o emulador "oficial" para PSP, pois mostra-se bem organizado e fácil de usar.

SSF

Plataforma: Saturn (requer BIOS).

Emulador SSFO Saturn deveria ser o grande sucessor do Mega Drive, o console que talvez levasse a Sega a tomar o primeiro posto da Nintendo no mercado de videogames. Deveria ser, mas havia uma pedra cinzenta e retangular no caminho...

A máquina da Sony foi a preferida das softhouses e o Saturn virou o patinho feio dos 32-bit. Seu hardware incomum mostrou-se complexo demais para os programadores, mas por outro lado dava excelente ambiente para games 2D, rendendo conversões espetaculares de arcades. O uso de um cartucho de expansão de memória permitia ports ainda melhores.

Se jogos 3D, que começavam a virar tendência, ficavam melhores no PSX, o Saturn compensava com os 2D. X-Men Children of the Atom, DarkStalkers, Street Fighter Zero e The King of Fighters '96 eram melhores nele; alguns 3D não chegaram a decepcionar, como Virtua Fighter 2 e Fighters Megamix.

Se foi problema para os programadores de seu tempo, emular o Saturn ainda não é simples. O SSF cumpre o papel razoavelmente; continua em desenvolvimento, o que deve torná-lo melhor no futuro. Por enquanto é aquela coisa "se não tem tu, vai tu mesmo". Se não tiver no mínimo um Core 2 Duo (recomendado Core i5, veja só, pra emular um videogame de 1995!), prepare-se para uma experiência meia-boca, mesmo em janela.

Nota: a versão indicada acima é a mais recente, mas pra mim não funcionou, deve ser alguma coisa com minha máquina. Por isso, só posso recomendar a versão 0.1.2 beta R1, testada e funcionando. Em todo caso, tente a mais atual.

zSNES

Plataforma: Super Nintendo.

Emulador zSnesImpossível não gostar de alguma coisa entre o monte de clássicos que o 16-bit da Nintendo oferece, como Mario Kart, F-Zero, Donkey Kong Country, Super Metroid e tantos que fizeram parte da vida dos jogadores na década de 90.

Sua disputa com o Mega Drive pegava fogo e apesar de ter clock inferior (jogos lançados nos dois consoles eram sempre um pouco mais lentos no SNES, além de uma pequena redução na porporção de tela), sua paleta mais rica garantia games mais coloridos que o rival. O hardware em geral era superior, com efeitos de transparência, zoom e escala, que o Mega Drive não fazia em condições normais (a não ser quando programadores muito feras faziam gambiarras, certo Treasure?).

O Super NES tem excelentes emuladores, como o zSnes. Não recebe atualizações desde 2007, e nem precisa, já que funciona bem.

Opção: Snes9X

Excelente emulador, fácil de usar e com muitas configurações, incluindo jogos em rede. Conta com fórum de suporte em inglês.

Página do Snes9X

Leia também → Emulando Velharias: Como Jogar Games do SNES no Emulador SNes9X

ParaJVE

Plataforma: Vectrex.

Emulador paraJVEO Vectrex é quase desconhecido, mas um capítulo curioso na história dos games. Lançado no final de 1982, foi pioneiro ao usar vetores e arriscar um modelo de gráficos tridimensionais ainda bastante arcaicos. Em vez de ser um console conectado à TV, ele tinha um pequeno monitor CRT próprio, monocromático.

Para suprir a falta de cores, uma folha colorida (tipo um acetato) acompanhava os jogos para sobrepor a tela. Foi o primeiro também a oferecer um dispositivo tipo "óculos 3D", quase quatro anos antes da Sega fazer algo parecido para o Master System.

Com a quebra no mercado de 1983, a Milton Bradley, que o produzia, foi uma das atingidas, e ele acabou descontinuado no início do ano seguinte.

O ParaJVE  é um emulador feito em Java para o Vectrex, com opções simples para ajustar áudio e vídeo, mas bem eficiente e liso. Tem até a simulação do reflexo da tela. Vale pela curiosidade.

Red Dragon

Plataforma: Virtual Boy.

Emulador Red DragonNem só de vitórias e acertos é feita a trajetória da Nintendo. Um de seus fracassos foi o ousado Virtual Boy, mistura de console com óculos 3D que mais parecia projeto do que produto finalizado. Com gráficos em azul e vermelho sobre fundo preto, não podia ser usado por muito tempo pois causava náusea e tontura. Crianças menores de 7 anos não podiam usar por possíveis danos a olhos em formação.

Pra piorar, de portátil ele não tinha muito: ficava apoiado sobre dois suportes, desconfortável. O fracasso foi tão grande que a Nintendo demitiu (ou ele teria pedido pra sair) o lendário Gunpei Yokoi, chefe de criação da geringonça, mesmo tendo no currículo nada menos que a invenção do Game Boy!

Com o Red Dragon você pode conferir esse tiro n'água da Nintendo. Como se nota pelo print screen, não consegui de jeito nenhum rodar em janela cheia, sempre ficava em um dos cantos, pequeno. Quem conseguir comente como fez que eu publico aqui.

Nota: se tiver problema com as cores (glitches), execute o emulador no modo de compatibilidade mais antigo (Windows 95), no modo 256 cores (clique com o direito sobre o rddragon.exe e selecione Compatibilidade).

Oswan

Plataforma: Wonderswan.

Emulador OswanLançado pela Bandai (mais tarde Namco Bandai) em 1999, o WonderSwan foi um dos últimos projetos de Gunpei Yokoi, criador do Game Boy quando funcionário da Nintendo. Portátil com versões monocromática e color, exclusivo do Japão e a maior parte dos games não tem versão em inglês. Tem muitos games baseados em animes e graças a uma parceria com a Square, chegou a conquistar quase 10% do mercado local de portáteis.

A alegria durou pouco, já que com o chegada do GBA a Nintendo voltou a dominar tudo. Ainda foram lançadas versões especiais com o game Final Fantasy, e o SwanCrystal com monitor em TFT-LCD, de melhor resolução.

O Oswan é uma opção de emulador para o portátil que tentou ser a sombra do GB. Tem opções de filtro para vídeo e ajustes de áudio. Simples mas bem eficiente.

E o Xbox?

Olha que fiz um esforço... Testei alguns emuladores, mas nada: todos são experimentais e muito ruins. Não vou perder meu e seu tempo postando-os aqui. Melhor esperar um pouco até algo sólido existir — se é que existirá, já que a maior parte dos games de Xbox saíram para PC e não tem sentido emular algo que tem versão oficial para computador. Se você tem uns jogos do primeiro Xbox aí e quer voltar a usá-los, a melhor opção por enquanto é comprar um Xbox. Tá umas quinhentas pratas no Mercado Livre, boa sorte.

⭐️

Se forem surgindo novidades que valham a pena, esse artigo será atualizado. Dúvida ou problema pra configurar algum emulador, comente aí.

Artigo anteriorReview – Shadow Dancer (Master System)
Próximo artigoReview – Seaquest (Atari 2600)
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

3 COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!
  1. Isso por que o X-box é da Microsoft e é o único a não rodar bem no windows.... Porque será...??/ heheheh Abraço e excelente matéria... !!!

  2. Sobre o Mess Multisystem

    vcs falarão mal do uso do mess mais não minha opinião e um grande projeto,
    principamente em emular computadores dos anos 80 que tem uma qnt vasta de pcs ñ é facil.
    quanto as bios vc tem que procurar realmente pois a maioria delas possui direitos autorais mais vc pode procurar em algum site torrent que ja vem o pacote com varias bios assim como outros emuladores tambem feitos pcsx2 que tem de colocar a bios.
    O uso dele achei facil pois ao abri um pc ou console ele ja reconhe controles joysticks e tudo o dificil que o pessoal pode achar e alguns pcs pois quem nunca mexeu em um pc antigo deverdade e claro fica voando principalmente na hora de montar um floopy ou cartigue ou tape ou simplesmente comandos basicos como LOAD"" realmente e pra quem viveu esta epoca, e tem dos tipos de mess, o mess comun q e pelo dos e é mais simples e o messui que e pelo windows com interface melhor e bem mais facil. resumindo e um otimo emulador o problema e saber usar.

    os melhores pcs que me marcarão são: Coco, apple Laser II, tk90x, commodores 64, zx81, MSX, ibm entre outros ..........

    • Nem é "falar mal" do uso geral dele, Denis. Ele até tem vantagens, mas quem prefere emular só videogames e não tem tanta experiência, vai ter bem mais dificuldade. O MESS é pra usuários mais avançados.

DEIXE UMA RESPOSTA