Video Games: The Movie estreia com história “não contada”

Mostrar a história, mas também o lado B dos games e dos gamers. É a proposta do documentário que estreia em julho.

0
448

O documentário Video Games: The Movie tem estreia marcada para o dia 18 desse mês nos cinemas da América do Norte. O projeto foi financiado pelo Kickstarter, com orçamento inicial de 60 mil dólares, alcançando os 107 mil.

Com direção de Jeremy Snead e produção de Zach Braff (Scrubs, Garden State), a produção conta a história da indústria do videogame, mostrando como ela saiu de um inocente brinquedo dos tempos do Pong — e até antes disso — para tornar-se uma mídia bilionária que compete com o cinema. Vai também para o futuro, falando das possibilidades como a imersão 3D e outras que nos esperam.

Mais do que só mostrar história, a tentativa é explorar cada aspecto desse mundo: os gamers, os jogadores casuais, como surgiram os grandes torneios, a visão dos designers, dos empresários. Snead explica no vídeo da campanha que sua meta principal é eliminar estigmas que rondam esse universo, como as velhas ladainha "games são violentos" ou "gamers desperdiçam seu tempo". É como mostrar um lado B da coisa toda — pelo menos lado B para quem não é íntimo:

É um documentário não só sobre a história dos videogames, mas sobre onde estão hoje, sobre a cultura gamer, como os games são feitos, como uma ideia torna-se a experiência completa dos games. Também vamos ao futuro dos games, a direção que tomarão. E o maior objetivo é derrubar as concepções erradas sobre os gamers, sobre a indústria de games.

A narração é de Sean Astin (o Sam de O Senhor dos Anéis), e há entrevistas com nomes importantes da indústria como Nolan Bushnell (co-fundador da Atari), Hideo Kojima (aquele), David Crane (co-fundador da Activision) e outros executivos, programadores e designers.

Confira o trailer:

Vendas digitais começam em 15/07/14. Segundo a produtora, estarão disponíveis versões dubladas e legendadas.

 

Atualização: o filme está disponível nas Netflix da vida, só procurar. Isso se você, que conhece um pouco da história dos videogames, quiser perder uma hora e meia da sua vida com SEMELHANTE BOSTA. É muito, muito fraco. Praticamente ignora qualquer coisa que não tenha sido feito por Nintendo ou Sony, tem a moral de falar superficialmente do "resto"; a Sega é tratada como se tivessem sido um minúsculo inseto. PC Engine, que vendeu milhões de consoles no Japão? Capcom, que revitalizou os arcades? Esqueça, se tiverem um minuto de citação é muito.

Sinceramente, dá impressão do roteiro ter sido feito por algum garotinho de 15 anos que nem se deu ao trabalho de pesquisar mais a fundo o que aconteceu além de sua zona de conforto ou interesse. Definitivamente não recomendo.

Artigo anteriorVovó compra imóvel no Japão e descobre arcade abandonado
Próximo artigoEntrevista com Carol Shaw, primeira mulher game designer
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

SEM COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!

DEIXE UMA RESPOSTA