Como Sonic foi atropelado por Ayrton Senna e a McLaren – cinco vezes

No fim, o ouriço da Sega se deu melhor. Mas fica a história...

0
105

O ano era 1993. Na temporada anterior, o inglês Nigel Mansell conquistara um dos títulos mais fáceis da história com a Williams, que voltava com o carro a ser batido na Fórmula 1. Cheio de recursos tecnológicos, era sonho de todos os pilotos.

Entre eles, Ayrton Senna. O gênio brasileiro, àquela altura tricampeão pela McLaren, sofria com mudanças. O motor Honda havia partido, e seu Ford Cosworth era menos potente até que o Ford da Benetton, que por contrato recebia uma versão mais avançada.

O kit era o mais tecnológico já montado pela equipe. O modelo MP4/8 tinha suspensão ativa, aceleração eletrônica e transmissão semiautomática. Mas mesmo com Senna (e o americano Michael Andretti), não era páreo para as máquinas do pessoal de Frank Williams. Para piorar, do outro lado estava seu arquirrival, o respeitabilíssimo Alain Prost.

E ainda tinha a Benetton, muito estável e com um novato fera: um tal de Schumacher. Nada menos que três pilotos lendários na mesma temporada. Um começava a carreira, outro passando da metade (interrompida pelo acidente fatal em 1994) e outro encerrando.

Os anos 90 foram disputados também entre as desenvolvedoras de games. Sega e Nintendo brigavam palmo a palmo pelo mercado com Super Nintendo e Mega Drive. E nesse quesito, a Sega dera um belo salto à frente, ao patrocinar a Williams.

sonic williams 1993 prost hill
Olha as perninhas do Prost e as luvas...

Era senso comum que Senna teria que tirar água de pedra em busca do tetra. Isso ficou claro com a vitória de Prost na corrida de abertura do ano, na África do Sul — e mais ainda pelo desempenho da Williams. Mas com o GP do Brasil, ficou claro também que não aceitaria a derrota tão barato assim.

Ele saía em terceiro, atrás das Williams. Após superar Hill na largada, o carro 8 da McLaren vinha com dificuldade, perdendo posições para o próprio Hill e depois Schumacher (ao sofrer um stop and go por ultrapassar um retardatário sob bandeira amarela).

Daí caiu a velha e boa chuva de Interlagos, bagunçando tudo. Senna colocou pneus para pista molhada; Prost arriscou e tentou se manter com pneus inadequados. A chuva virou tempestade e o francês (reconhecido como mediano em tal condição) aquaplanou, batendo em Christian Fittipaldi, virado no meio da curva. Sem o bico e atolado na caixa de brita, era fim de prova para o "Professor".

Com a melhora das condições, mas ainda em piso molhado, Senna acelerou para ultrapassar Hill e venceu pela segunda vez em casa. Melhores momentos do GP Brasil 1993.

Daí a McLaren resolveu "tirar uma casquinha" da Williams. Na corrida seguinte, GP da Europa, o carro apareceu com um insuspeito adesivo na lateral.

1993 senna donington

Não viu? Vamos mais perto:

mclaren mp48 hedgehog

ourico atropelado mclaren memoriabit

Sim, é um ouriço atropelado 😆.

Tirando sarro da Williams e da Sega, os caras mandaram um Sonic atropelado por uma marca vermelha, em referência à vitória no Brasil. O site da equipe explica:

Em 1993, a McLaren iniciou uma disputa bem-humorada com a Williams, patrocinada pela Sega, enquanto ambas lutavam pela honra do título mundial. Este adesivo de ouriço atropelado (como referência ao Sonic the Hedgehog, da Sega) se tornou um tipo de distintivo de honra, como dos aviões de caça, e era aplicado ao McLaren-Ford MP4-8 sempre que obtinha uma vitória em corrida.

Essa primeira aparição do adesivo deu sorte, se quiser chamar assim. Senna largou apenas em quarto, mas fez em Donington uma de suas corridas mais espetaculares, vencendo em pista molhada com vantagem absurda. E ainda fez a por muitos considerada melhor primeira volta da história da Fórmula 1: saiu do sexto para o primeiro lugar como se não tivesse nada no caminho, passando caras como Hill, Schumacher e Prost.

Quer mais? Ainda ganhou um troféu de Sonic. Sim, muito sério.

Senna trofeu Donington 1993

Senna venceria mais três corridas em 1993: Mônaco, Japão, e fechando a temporada, Austrália. Quem riu por último foi Prost, que correu bem para seu tetracampeonato, o último; o francês se aposentaria em seguida, deixando a vaga na Williams para o ex-rival.

Mas fica na história o ano em que Senna atropelou Sonic cinco vezes...

Artigo anteriorPreconceito contra gamers: o inferno são os outros?
Próximo artigoAntstream: o “Netflix” de games para os Millennials
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

SEM COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!

DEIXE UMA RESPOSTA