Razer anuncia o golpe final no Ouya, que um dia foi a “revolução”

Após campanha bombástica e descontinuação em apenas dois anos, o console que um dia foi "a futura revolução da indústria" não terá mais suporte.

0
92

O ano era 2012. Navegando pela internet, quem sabe no Orkut?, seus olhos quase saltam com a notícia de um novo console. Baseado em Android, ele chegaria com um acervo enorme de games, e certeza de um fluxo sem fim deles, e de graça. Uma revolução no formato de produzir e distribuir jogos.

E melhor ainda, seria um videogame baratinho: 99 dólares. Super acessível para as massas. Super atraente para desenvolvedores. Seu nome era OUYA.

Foi um hype monstruoso. A campanha durou 29 dias, entre US$8,596,474, de 63416 financiadores. Até hoje, é a nona maior da história do site. A empolgação era infinita. Desenvolvedores babavam na ideia de criar para o grande público. Jogadores, em levar para a sala o que já gostavam do mobile, fora tudo que viria.

Mas você sabe como a revolução terminou.

Fora de sintonia

O tempo foi passando, e as coisas começaram a ficar... esquisitas. Pra começar, muita gente que o financiou não o recebia, e lógico, reclamações corriam. Havia poucos jogos no início. O controle sem fio não entregava a qualidade esperada, com problemas de delay que em alguns casos, prejudicavam a diversão.

Os reviews de grandes sites, antes mesmo do lançamento, não ajudaram. O The Verge reclamou dos gatilhos do controle e do trackpad, considerado um "remendo para em vão tentar consertar a bagunça que é a interface do Ouya", e o classificando como "inacabado". O Engadget foi na mesma linha, citando "controles cheios de falhas".

Quando enfim chegou ao público, em 25/06/2013, a primeira leva vendeu rápido, esgotando-se na Amazon. Mas não passou de fogo de palha.

Com o fim do suporte, a seção Discover não estará mais acessível, e só jogos que não exijam validação na inicialização continuam jogáveis.

De repente, o mini console revolucionário virou motivo de chacota. Não importa se era alternativa às opções caras como PS4, e voltado a um público mais amplo. Sabem como a internet funciona quando algo cai em desgraça: aquilo é destruído, porque o público se sente traído quando o que é entregue difere muito do que o hype propagava.

A empresa não colaborou, sejamos honestos. Longe disso: desenvolvedores não recebiam o que a Ouya prometera — haviam separado 1 milhão de dólares para bancar o design de jogos. A maioria não via a cor do dinheiro. Ou seja: tiveram milhões para produzir e lançar o Ouya, prestaram um serviço de atendimento ao cliente deficitário, e falharam com a parte mais importante na chance de sucesso: os criadores de conteúdo.

"Ouya = um dos scams mais espertos que já vi. Não só fizeram 8 milhões de dólares em financiamento, mas nem sequer pagaram os desenvolvedores e quando as pessoas descobriram que estavam sendo enganadas, venderam a empresa para a Razer. Genial!" Fonte: YouTube

Resumo da ópera: o Ouya foi um fracasso. Acabou vendido à Razer, que descontinuou o hardware para lançar seu próprio projeto, o Forge TV. E ainda tiveram que bancar quase 600 mil dólares devidos aos desenvolvedores. O Ouya seguiu com acesso a jogos pela loja que servia ao Forge. Ficou ali num estado meio zumbi, nem morto, nem vivo.

Mas não mais. A Razer anunciou que vai descontinuar o Forge TV e também o suporte ao Ouya e ao M.O.J.O., da MadCatz. Com isso, a partir do dia 25/06 (mais conhecido como depois de amanhã), os serviços serão desligados para sempre, encerrando de vez a turbulenta aventura da estrela cadente.

Quem tem um Ouya, como fica?

Com o que tem. A Razer confirma que os donos continuarão aptos a jogar até dia 25. Após essa data, o acesso à seção Discover não estará mais disponível. Jogos baixados que aparecem na seção "Play" continuam funcionando desde que não requeiram validação ao iniciar — isso depende de como o jogo foi feito.

No último suspiro, o Ouya contará, segundo o site oficial (que também será encerrado dia 25) com mais de 1250 jogos.

Artigo anteriorMais reboot: agora é o shmup Cotton para PS4, Switch e PC
Próximo artigoParece que o “Blast Processing” do Mega Drive era real, afinal…
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui