Night Trap remake tem campanha no Kickstarter

Agora o projeto é oficial, com lançamento para PC, Mac, PS3 e Xbox 360 em abril de 2015 - só falta o dinheiro...

444

Atualização 10/09: o projeto falhou miseravelmente, com apenas pouco mais de 39 mil dólares. Não vai ser dessa vez ou desse jeito que o game sairá da tumba.

Outro dia falamos aqui sobre o interesse de Rob Fulop em trazer de volta o clássico horror (entenda isso como quiser...) dos FMV, Night Trap. Pois dito e feito, tal como havia anunciado o co-criador (junto com Jim Riley), está aí a campanha no Kickstarter. Night Trap ReVamped pode voltar no PC, Mac, PlayStation 3 e Xbox 360 sem a velha granulação, mas com o mesmo charme trash, a graça da Dana Plato (aquela loirinha do Diff'rent Strokes, ou Arnold) e a atmosfera bizarra de filme de baixo orçamento.

Pra quem saiu do berço ontem, um pouco de história: os FMV (full motion videos) eram uma febre no começo dos anos 90, quando alguns videogames ganharam acessórios para mídias mais espaçosas do que cartuchos: os CDs. Havia todo aquele novo espaço para armazenar filmagens e áudio de qualidade, e os desenvolvedores pensaram que talvez o futuro dos games estivesse não na produção tradicional com pixels e sprites, mas nos filmes e animações interativas. Daí vieram títulos até razoáveis, como Road Avenger, Mad Dog McCree, Time Gal e Tom Cat Alley, mas outros pavorosos como Sewer Shark e a série Make my Video.

Dana Plato em Night Trap
Em Night Trap você deve defender uma casa cheia de belas moçoilas de uns vampiros desajeitados e patéticos. Dana Plato é uma espiã infiltrada.

Night Trap foi tirado de uma filmagem de 1986, feita para uma plataforma que acabou nem lançada, e então reaproveitada no Sega CD. Sabe como é FMV: aquela jogabilidade extremamente restrita e gráficos muito ruins, especialmente no Sega CD, gargalado pelo Mega Drive. Tudo é desbotado e granulado, roda numa janela pequena. Uma pobreza total. Por outro lado, as atuações macarrônicas e efeitos especiais toscos são um barato!

Seu papel é ser o contato da agente Kelli Medd, da agência secreta S.C.A.T. (Sega Control Attack Team), interpretada pela Plato, infiltrada na casa da família Martin, onde andaram sumindo umas pessoas. A casa está cheia de belas moças que passarão a noite numa festa do pijama, e nem imaginam que são ameaçadas pela presença de uns intrusos desengonçados que roubam sangue, conhecidos como Augers ou Augs. Você deve ativar armadilhas para capturar os sujeitos conforme os encontra, ativando câmeras localizadas por toda a mansão. Quase um Big Brother, mas com um pouco mais de ação e naturalidade. 😛

Mesmo fraquinho em jogabilidade, Night Trap ganhou espaço na mídia. Teve capa polêmica, participação de nomes como Plato e Don Burgess (diretor de fotografia futuramente indicado ao Oscar), garotas com pouca roupa e o congresso americano que encasquetou que o game era violento - beira o infantil para os padrões atuais - e o nome ficou maior que a qualidade da produção.

Vai voltar? Você decide

Agora o game pode voltar do passado com tudo melhor. A campanha pede US$330 mil, o que me parece salgado para uma simples recuperação de material já produzido e lançamentos em consoles da geração passada. Mas considerando o valor nostálgico pra muita gente, não é impossível que chegue à meta.

Entre as melhorias, estão prometidas uma nova abertura, tal como editada originalmente pelo diretor Jim Riley (foi alterada pela Digital Pictures nos lançamentos), resolução 1080p (contando a janela e os menus de ação), e claro, gráficos absurdamente mais limpos que os antigos - dentro das possibilidades da gravação original, lógico.

Por que o Kickstarter?

Há quem torça o nariz para gente consagrada usando o Kickstarter, mas a escolha foi óbvia: medo de gastar por conta própria e tomar prejuízo. Como explica a página, a campanha vai mostrar se há mesmo gente interessada no título, que bem ou mal, é parte da história da indústria de games - se não tiverem, ele segue no limbo dos jogos, fim da história. Se der certo, prometem ainda tentar explorar versões online e mobile.

Achei as recompensas meio pobres: a maior de todas, por US$10 mil, é ter seu nome no jogo creditado como Produtor-Executivo + o box de luxo. Se o valor inicial ultrapassado, estão nos planos ainda adquirir direitos de outros FMV que atualmente pertencem à Digital Pictures, e até criar um Night Trap II! Quem poderia ser a protagonista dessa vez?

A promessa de entrega é abril de 2015.

Night Trap Sega CD
Cena de Night Trap no Sega CD: granulado, cortada e horrenda. E...
Night Trap ReVamp
...a mesma cena anterior, como divulgada pela campanha do remake.

Mas e o Wii U?

A explicação da página oficial é contundente sobre a relação deles com a Nintendo, e tem um background histórico:

Já ouviram a expressão "nunca destrua pontes"? Bem, Howard Lincoln, ex-presidente da Nintendo da América, fez da nossa vida um tormento em 1994 durante as discussões no Senado sobre violência nos videogames. Não só sugeriu sutilmente aos congressistas, através de vídeos cuidadosamente editados e fornecidos pela Nintendo, de que eles deveriam demonizar Night Trap em vez de seu Mortal Combat [sic], como também declarou publicamente que Night Trap jamais apareceria num sistema Nintendo. E ele estava certo: mesmo que a Nintendo precise desesperadamente de publicadoras que apoiem sua plataforma como third parties, não seremos uma delas. Há muito ressentimento entre nós e eles.

Será que os nintendistas sentirão falta? Será que Night Trap ReVamped está com essa bola toda, pra ficar trazendo à tona picuinhas dos anos 90? Resta aguardar pra saber. Eu gostaria muito de ver o produto pronto, mas não estou botando fé.

Artigo anteriorFilmes dos anos 80 que viraram games
Próximo artigoO melhor do “Engrish” nos games