Konami Justifier, o colorido trabuco justiceiro

Charles Bronson, ou melhor, Paul Kersey, se jogasse videogames, teria sua "Justiceira" azul bebê.

4
419

O justiceiro Paul Kersey foi um ícone controverso das telas. Ao longo da série "Desejo de Matar" (Death Wish), foram gravadas algumas das cenas mais bizarras do cinema, que causavam repulsa até nos atores. Carol, filha do anti-herói, é violentada nos dois primeiros filmes — no segundo, em estado de catatonia por causa da agressão no primeiro, tem uma morte horrível. Sem falar da quantidade de "clones" na vida real que pode ter inspirado.

Entre tanta polêmica, o início teve como marca registrada o baita trabuco que Kersey usava para limpar a cidade da escória, um Colt prata. Alguém da Konami, talvez influenciado pelo personagem de Charles Bronson, desenhou a arma que seria alvo de mais controvérsia, apesar de sua cor "incomum".

Com o desenvolvimento do arcade Lethal Enforcers, vieram as versões domésticas e junto, uma arma light gun imitando um Colt, a inesquecível Konami Justifier, conhecida como Justice Fire no Japão.

O game por si só tinha potencial para causar alvoroço, pelo uso de fotografias em vez de sprites em pixel art. Como o oficial Don Marshall, o jogador caça bandidos em bancos, aeroportos e Chinatown, atirando em "pessoas de verdade" na tela, não nos tradicionais bonequinhos desenhados da época.

The Justifier
O Colt azul muito bem modelado: com uma tinta preta e sem o fio, serve pra cometer crimes tranquilamente.

Os ports para Super NES e Mega Drive ficaram decentes, e para tornar a jogabilidade mais fiel, a Konami lançou também o trabuco acompanhando o cartucho. Muita gente não gostou nem um pouco.

Violência colorida

Apesar das cores berrantes, que tornavam impossível confundi-las com uma arma de verdade (pelo menos sem uma demão de tinta), os americanos não curtiram a ideia das crianças com aquilo na mão, matando sanguinariamente bandidos digitalizados na TV. Nas famosas audiências no Congresso dos Estados Unidos, entre 92 e 93, quando se debateu a crescente violência e realismo crescentes dos videogames, a Justifier entrou na dança, junto com outros produtos malvados como Mortal Kombat e Night Trap.

As versões para SNES e Mega Drive eram réplicas de um Colt (provavelmente Colt Python, diferente do Colt Police Positive de Kersey). O modelo azul é conectado diretamente ao console, na porta do controle 1, enquanto a segunda arma — feita num tom rosado tão ridículo quanto a primeira — é ligada em corrente nela por um conector RJ-11.

Konami Justifier arcade gun
No arcade as armas já tinham a cor berrante, mas o design Colt foi nos consoles.

Serviam para outros jogos de tiro ou com sessões de tiro, como Snatcher, além, claro, de Lethal Enforcers II, em que a Konami tirou o ambiente moderno e o levou para o Velho Oeste, talvez pra abrandar a reclamação. Mas não eram compatíveis com tudo: no Mega Drive, por exemplo, alguns jogos feitos para a Menacer não funcionam com a Justifier, o que obrigava quem fosse fã do gênero a comprar as duas armas se quisesse um tiroteio completo.

Era comum (pelo menos aqui em SP, e acho que no Brasil todo) que a Justifier fosse alugada junto com o cartucho Lethal Enforcers. Lembro da arma azul, até leve pro seu tamanho e com boa precisão, mas só em TVs grandes; simplesmente não presta em telas de 14 polegadas, você pode encostar o cano na tela que o tiro sai errado assim mesmo.

Apesar das brincadeiras, a preocupação das autoridades era justa: o desenho é realista, e se pintada de preto, num ambiente menos iluminado, passa tranquilamente como verdadeira para um leigo. A arma rosa é um pouco mais rara, pois só a azul acompanhava o jogo e pouca gente comprava a outra para detonar os terroristas no modo 2P.

Mais tarde seria lançado um modelo para o PlayStation, num estilo bem mais caricato, futurista, em verde marca-texto. Pena que ter uma dessas hoje em dia não adianta muito, pois a tecnologia delas se baseia no funcionamento dos monitores CRT (TVs antigas, de tubo), não funcionam nos atuais LED e LCD. Ou você tem o "pacote nostálgico" completo, com a TV velha, ou nada feito.

Mas nostalgia pra mim é com a velha azulona.

Para o jogador 2, a Justifier era nesse tom rosa/salmão.
Para o jogador 2, a Justifier era nesse tom rosa/salmão.

Eram outros tempos...

Artigo anteriorReview: Ghouls’n Ghosts (arcade)
Próximo artigoFilmes dos anos 80 que viraram games
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

4 COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!
  1. Bom, o design da arma também era igual nos arcades, pelo menos os gabinetes oficiais de Lethal Enforcers; já esses modelos com design diferente e cores azul e vermelha mais escuros, foi baseado na cabine de Police trainer, um game de tiro mais recente que a série de tiro da Konami. Só procurarem por imagens destes arcades citados por mim no Google e vocês comprovarão!

    • Não sei se a Konami tinha um padrão específico, porque tem muitas máquinas oficiais com a arma tipo pistola ou tipo Colt. Mesmo a Lethal Enforcers II, que tem tema de faroeste, algumas máquinas originais tem a pistola "moderna".

  2. Teu blog é demais, brother.
    Os textos poderiam tranquilamente encher algumas Gamers de material de extrema qualidade.
    Citei essa porque na minha opinião era a revista com mais conteúdo e melhor escrita de antigamente. Re-respondendo a enquete, siga forte com o blog, isso é algo que está morrendo devido ao povo cada vez mais preguiçoso que só quer saber de ver vídeos.

    Conteúdo matador!

    Abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA