CPS Changer: o console da Capcom

O CPS Changer, da Capcom, era um aparelho simples mas com grande propósito: levar aos lares o verdadeiro arcade.

1
541

Nos anos 90, a Capcom era a queridinha de todos que gostavam de trocar sopapos nos arcades. Ter uma máquina deles em casa era um sonho de consumo realizável para poucos; adolescente sonhava mais com um arcade de Street Fighter II na garagem ou no quarto, com seus créditos infinitos, do que com uma noite com a Magda Cotrofe (se você jovial criança não sabe quem é, pergunte ao Google).

Então, para suprir esse desejo do pessoal e lucrar um pouquinho mais, a empresa investiu num aparelho doméstico, coisa que nunca tinha tentado, para produzir o CPS Changer (Capcom Power System). Como sugere o nome, é baseado na lendária plataforma que nos anos 90 foi base de clássicos como a linha Street Fighter II, Strider, Final Fight e outros.

Lançado em 1994, seu público-alvo era quem já se divertia no arcade, mas queria continuar brincando em casa: a solução foi adaptar uma placa para esse formato. Visualmente, um console feio pra burro, os cartuchos-placas eram enormes, monstros... Na verdade, parecia que o console tinha sido conectado ao cartucho, e não o contrário.

Tamanho do cartucho para CPS Changer, perto de um Neo-Geo
Tamanho do "cartucho" para CPS Changer perto de um Neo-Geo. E você achava o cartucho do Neo-Geo grande?

Através de um Supergun (dispositivo para usar placas de arcades sem o gabinete), oferecia praticidades domésticas tipo joysticks e a ligação à TV. Tinha entrada, com adaptador, para o CPS Fighter, aquele controle monstro com cara de arcade que haviam lançado antes para SNES e Mega Drive.

Em si, um aparelho simples, mas os jogos não eram os mesmos da CPS — refeitos, a parte interna convertia conectores para adaptarem-se ao console, e não serviam em gabinetes comuns. Isso evitava que fossem reutilizados comercialmente, afinal seu custo era inferior ao de uma máquina completa e não deveria haver concorrência interna, com gente colocando os Changer no boteco e usando como arcade.

O CPS Changer mesmo era só isso. Grandes eram os "cartuchos"
O "console" CPS Changer mesmo era só isso. Grandes eram os "cartuchos".

Para tristeza de quem investiu nele — não muita gente, na verdade — foram lançados só 11 jogos para o CPS Changer, nem perto dos 39 da plataforma original:

  • Capcom Quiz World 2
  • Muscle Bomber 2
  • Captain Commando
  • Street Fighter 2
  • Final Fight
  • Street Fighter 2 Turbo
  • King of Dragons
  • Street Fighter Zero
  • Knights of Round
  • Tenshi Wo Kurau 2
  • Muscle Bomber

Com cartuchos muito caros (¥20,000, quase metade do valor do aparelho todo) e vendagem muito baixa, a Capcom deixou de dar suporte ao sistema em menos de 2 anos, mas como última mostra de mercenarismo agradecimento a quem gastou com ele, lançou um port (imperfeito) de Street Fighter Zero, um dos primeiros jogos da CPS-2.

Kit CPS Changer
Kit do CPS Changer, com dois jogos.

Tinha menos quadros, menos cores e o som foi sampleado em qualidade inferior ao original, mas como houve uma boa procura, trataram de cobrar ¥35,000 por um tempo, até ir baixando gradualmente. Quanta generosidade ???????!

Fora do Japão o CPS Changer é raro. Uma tentativa frustrada da Capcom de ter seu Neo-Geo e que deixou claro, como disse tempos depois Christian Svensson, vice-presidente de desenvolvimento e planejamento, que seu papel sempre foi de "empresa de conteúdo, não de hardware".

Fiquem com um vídeo dele em operação:

Fontes. Visitem pois tem muita coisa:

Artigo anteriorA primeira ninguém esquece: revista Supergame
Próximo artigoWeapon Lord e Eternal Champions: futuro, interrompido
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

1 COMENTÁRIO

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!
  1. Na época de Street fighter 2 e mortal kombat a galera sonhava ter um fliperama dentro de casa. Para mim na época street fighter 2 champion edition, Mortal Kombat e Samurai Shodown 2 ter em casa seria a melhor coisa do mundo em termos de games...Todos queriam ter um final fight em casa ou até mesmo aquela máquina tartarugas ninja 2 que jogava de 4 pessoas ao mesmo tempo. Era bom demais jogar em fliperamas, conhecer pessoas!!!! lembro de ter visto uma foto CPS Changer em alguma revista de video game!!!! bons tempos!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA