Review Enduro (Atari 2600): obra de arte da Activision

Superclássico do Atari 2600, Enduro foi mais uma das obras de arte da Activision, num game de rally inesquecível.

1209

Em 1983, graças aos deuses dos jogos (se existisse tal coisa), a gloriosa Activision já tinha se metido no negócio da Atari e estava produzindo para o 2600, como tantas outras companhias. Mas eles não eram só mais uma das inúmeras que queriam carona no megassucesso mundial do console: com produções de alto nível, ajudaram a mostrar que o brinquedinho podia ser levado a outro patamar, bem mais alto que os Pongs e Space Invaders da vida.

Se já tinham clássicos como Pitfall! e River Raid, outra prova determinante desse poder de fogo foi Enduro, um dos últimos hits antes do declínio que começaria a pegar geral ainda naquele ano. Com variação de gráficos, sons realistas (para o padrão da época) e muita diversão, o game é fácil o melhor de corrida e um dos melhores do sistema.

Supergráficos

enduro atari 2600 7 diaDesenvolvido por Larry Miller (também pai do shooter Spider Fighter), Enduro começa com um desafio diferente de outros racing games: em vez de lutar para baixar tempos e fazer voltas mais rápidas, o negócio é enfrentar o National Enduro e ultrapassar certo número de adversários no curso de um dia. No primeiro dia de competição, o objetivo é conseguir 200 ultrapassagens, e a partir do segundo, trezentas. A cada dia o rally começa pelo período que seria o início da tarde, indo até o mesmo horário 24 horas depois.

Essa percepção de horário está apenas no ambiente, não é refletido num relógio ou qualquer outra marcação numérica. A passagem de tempo se dá pelas alterações de cenários: na largada, a pista está seca e o dia é claro; depois de algum tempo de corrida, tudo torna-se nevado, e mais adiante surge uma cor avermelhada sugerindo o cair da tarde. Logo vem a noite, e só os faróis dos carros continuam visíveis.

enduro atari neveNo período seguinte você enfrenta a neblina da madrugada, completando o dia com o amanhecer (ainda vendo os faróis) até o horário em que começou. Se o dia de corrida recomeçar e você não tiver obtido o número mínimo de ultrapassagens, o jogo termina com o memorável e odiado efeito sonoro (como se o motor fosse perdendo rotações até emudecer, um dos mais broxantes já ouvidos em videogames na história).

Na tela ficam visíveis um tipo de odômetro com a quilometragem, dia e números de carros restantes a ultrapassar. Se chegar ao 5º dia de competição, você ganha um simpático e inútil troféu ao lado do marcador de ultrapassagens.

Cada cenário é bem-feito. As cores são um show, como no trecho final de tarde quando o céu vai gradualmente ganhando um alaranjado, depois vermelho, até anoitecer; a neve que cobre a pista deixa tudo num branco impecável, e a neblina surpreende com seu efeito fading, um degradê suave, coisa raríssima no 2600.

enduro atari cena fim de tarde
O belo cenário do fim de tarde: céu vermelho é sinal que a noite se aproxima

Comparando com outros jogos do 2600, não era comum tanta variação de ambiente. Foi um trabalho primoroso.

Som

Felizmente não inventaram de colocar música durante a corrida. O som que você ouve é o ruído do motor (um ruído muito bem escolhido, ouvi efeitos piores em 8-bits), das freadas e ao bater, seja nos adversário ou nas "paredes", as linhas que delimitam a pista e das quais não se pode passar.

Embora não haja sistema de marchas, ao ganhar grande velocidade não ouvimos mais o acelerador, só o som dos carros sendo ultrapassados e passando como um raio lateralmente, como um deslocamento de ar; aposto que você também se sentia piloto quando o motor parava de roncar e só ia desviando como ninja no meio do trânsito.

O efeito abafado na parte nevada também é interessantíssimo, dando realmente a sensação que o carro está sem tração adequada. O aviso sonoro da bandeirada e do game over são inesquecíveis, com os extremos do sucesso e fracasso.

Dificuldade / jogabilidade

enduro atari noiteOs controles não poderiam ser mais simples: mova o carro para os lados e acelere para ultrapassar os rivais. Movendo para trás o carro desacelera, fundamental para evitar colisões (se bem que muita gente nem sabia que o freio existia, era só pé embaixo). O carro muda de comportamento na parte nevada, é quase impossível frear a tempo de evitar choques se estiver correndo — o deslocamento lateral também fica bastante prejudicado. Na neblina somos obrigados a seguir com cuidado, pois não dá pra ver muito além de dois carros de distância.

A dificuldade é progressiva até níveis impossíveis de continuar, como é típico aos jogos daquela geração. A partir do sexto ou sétimo dia você sente o drama: não pode nem sonhar em bater, o que causa a perda de dezenas de posições. Jamais consegui passar do nono dia; tive amigos que chegavam ao 13º e eu achava sensacional.

enduro atari neblina
O trecho na neblina é o mais difícil. Simplesmente impossível correr, siga com cuidado.

Sei que muitos conseguiam ir bem adiante, e dou os parabéns por suas técnicas de pilotagem! No Youtube tem caras que chegam no dia 40, outros falam em recorde mundial em 300 dias, mas certo é que não tem final, e o placar de dias tem um bug no centésimo dia (suporta até o 99).

Conclusão

Enduro é um clássico top de corrida, um dos melhores games do 2600 e fez parte da nata da Activision. Tem um ritmo empolgante, ao contrário dos chatinhos (na minha opinião, claro) Pole PositionDragster, e é garantia de entretenimento para adultos e crianças.

Pra completar, algumas dicas do próprio Larry Miller tiradas do manual americano do game:

Como se tornar um "Roadbuster"
Dicas de Larry Miller, designer de Enduro™:

Larry Miller é um designer com PhD em física. Quando não está desenhando games, ele pode estar velejando, esquiando ou tocando piano. Seu hit mais recente foi Spider Fighter™.

O melhor jeito de vencer os adversários é dirigir com calma. Você não vai durar muito se correr à máxima velocidade pois acabará batendo nos outros carros. Vá rápido o bastante apenas para ultrapassar o número de carros necessário.

Se puder escolher entre chocar-se com a lateral da pista ou outros carros, vá pra lateral. É um atraso menor, você não perde tanto tempo.

Além disso, é sempre melhor passar diagonalmente entre carros pareados do que ter que se espremer entre eles - mas se isso for preciso, mantenha a velocidade maior que a deles e seja cuidadoso.

Outra dica: se você aproximar-se de um grupo de carros que está bloqueando a pista, desacelere. Deixe-os sumir no horizonte e então acelere. Quando reencontrá-los, provavelmente eles terão mudado de posição, liberando o caminho.

Fonte: AtariAge

Curioso saber também que ao concluir o quinto dia e ganhar o troféu, o jogador podia tirar uma foto do seu grande feito e mandar para a empresa, para receber (lá fora; suponho que não remetessem pra esses lados de baixo) pelo correio uma carta de congratulações e um emblema bordado como esse. Que criança do universo não queria uma coisa dessas? Por isso os velhos tempos eram tão especiais.

Confira também esse comercial do jogo.

Nota: não estranhem a nota dada para música. Afinal, nesse caso o som que realmente importa já estava lá, e foi uma sábia decisão não enfiar música por cima embolando tudo.

Gráficos: 10.00
Efeitos Sonoros: 10.00
Música: 10.00
Jogabilidade: 8.00
Controles: 8.00
Criatividade: 8.00
Enredo: 6.00
Carisma: 10.00
Artigo anteriorA história do TurboGrafx-16 (PC Engine)
Próximo artigoEmulação: como jogar SNES no computador com o Snes9X