Kalinske fala sobre 3DO e futuro dos 32-bit em 1993

Sua visão mostrou-se perfeita ao avaliar o "superconsole de playboy". Ele só não contava com uma certa Sony...

4
259

Todo mundo sabe do mega flop que foi o 3DO. Anunciado na primeira metade dos anos 90 como muito mais do que um videogame, mas uma estação multimídia que revolucionaria o conceito de lazer doméstico, o aparelho nasceu da iniciativa de Trip Hawkins, executivo com nada menos que a fundação da Electronic Arts no currículo, além de uma breve passagem pela Apple.

Com preço elevadíssimo para a época — quase o dobro dos videogames dominantes, os 16-bit de Sega e Nintendo — e poucos bons jogos, não passou de uma aventura cara e infrutífera. O PlayStation foi o chute final no cachorro morto de madame.

É fácil constatar esse insucesso tantos anos depois, mas é legal ver a opinião de gente que conhece do mercado antes das coisas acontecerem. Como diria o poeta, ser comentarista de jogo que terminou é fácil, difícil é fazer previsões e apontar caminhos antes da bola rolar. E assim foi com o mítico Tom Kalinske, que numa entrevista dada ao jornal The New York Times em 1993, duvidava do rival 32-bit e dizia mais: em poucos anos, a Sega lançaria algo melhor e "substancialmente mais barato".

Para quem não lembra, Kalinske foi o grande nome na Sega of America naquele período, e "o" cara por trás do sucesso do Genesis por lá (e por consequência no mundo). Sem Kalinske, a Sega jamais teria batido de frente com a Nintendo, nem teríamos visto uma das maiores console wars da história.

Confira a entrevista conduzida por Peter H. Lewis, publicada em 01/08/1993.

Se Thomas J. Kalinske fosse um personagem de videogame, acumularia mais pontos que Sonic the Hedgehog. Sr. Kalinske, presidente e CEO da Sega of America Inc. de Redwood City, Califórnia, subsidiária da Sega Enterprises Ltd. do Japão, juntou-se à fabricante de brinquedos Mattel como gerente de produto em 1973 e chegou à presidência da companhia em 1985.

Quando recebeu o bastão de comando da Sega of America em 1990, a companhia de hardware e software em videogames estava muito atrás da Nintendo, com vendas anuais de $125 milhões. As vendas deste ano estão "só um pouco abaixo de um bilhão", ele diz, e o Sega Genesis está vendendo mais que o rival da Nintendo na proporção de dois por um.

O jogo apenas começou: ano que vem, a Sega of America planeja lançar um capacete de "realidade virtual", um canal interativo de TV e outras novas tecnologias. Esta semana, é aguardada a introdução de versões em cartucho e CD de "Jurassic Park", game baseado no filme.

E não se esqueça da competição, principalmente de um novato, a 3DO Company, e da Atari, ambos desenvolvendo sistemas avançados de videogame. [NOTA: a Ataria trabalhava no lançamento do Jaguar. Muito avançado mesmo...].

Pergunta: Você disse que "Jurassic Park" é apenas um de pelo menos oito títulos que pretende vender um milhão de cópias cada. Por $54.99 por cópia, este negócio de games não é brincadeira de criança, certo?

Resposta: Ano passado nós fizemos $450 milhões mundialmente com só um jogo, Sonic 2. Isto é mais do que qualquer hit do cinema, mais do que qualquer outra propriedade de entretenimento. É uma forma muito atraente de entretenimento. Acreditamos ter uma cartada muito boa oferecendo mais entretenimento por dólar gasto, por hora gasta, do que filmes e televisão. Em essência, os vemos como nossos competidores. Você vai ver, você vai gastar mais tempo em "Jurassic Park", o videogame, do que assistindo "Jurassic Park", o filme.

P: A Sega bateu a Nintendo ao ser a primeira a passar dos games 8 para 16-bit. Vocês temem que a 3DO façam o mesmo que vocês com as máquinas 32-bit?

R: O lado arcade do nosso negócio tem sido software 32-bit há quatro anos, então temos uma vasta biblioteca de games 32-bit. Também sabemos mais sobre hardware 32-bit do que qualquer um. Posso fazer um hardware 32-bit como esse assim [estala os dedos]. O problema é que seria muito caro agora. O desafio real de engenharia é levar esse preço para baixo até onde seja um produto para o mercado de massa. Eu posso fazer um hoje por $100 a menos que o 3DO, mas não tenho interesse nisso. Não tenho interesse em ser duzentos dólares mais barato. Tem que ser uma unidade com preço substancialmente mais barata.

P: Você acha que as pessoas não comprarão o 3DO pagando $700 ou $800?

R: Essa é a nossa visão. Talvez estejamos errados, mas achamos que é um produto de nicho com esse preço. Fizemos bastante pequisa nesse sentido. Os videocassetes tiveram que romper a barreira dos $300 antes de se tornaram produto de massa. Estamos meio céticos quanto a própria tecnologia. Francamente não penso que seja boa o bastante. Então eu garanto a você que o que quer que façamos, será melhor do que eles estão fazendo agora, e vai custar menos. [NOTA: no lançamento, o 3DO custava cerca de US$700,00. O Saturn foi lançado por US$400,00.]

P: Enquanto isso, vocês já tem o Sega CD. Estão desenvolvendo o Sega VR, um dispositivo de realidade virtual que parece bem legal, e ano que vem haverá o Sega Channel, para TV interativa a cabo. Vocês não temem que em algum ponto, os garotos da América...

R: Este é meu pesadelo! Um dia eles dizerem "Chega, acabou".

P: Isso pode acontecer?

R: Claro que podem fazer isso se não nos reinventarmos a cada ano. A realidade virtual, nós já mostramos. Há software especial para isso. É absolutamente viciante. Você coloca o capacete e...

P: Vício é algo bom?

R: Pra nós, sim. Falando sério, ainda não houve pesquisa o bastante, mas há bastante material correlacionando aos videogames e notas altas na escola. Crianças frequentemente se interessam por computadores através da porta dos videogames. Acho que isso é realmente positivo.

P: Seus filhos jogam bastante os jogos da Sega?

R: Não, eles são um pouco pequenos. Atualmente 70% de nosssos jogadores de Genesis estão acima dos 12 anos. Não somos mais um negócio para crinças; nosso negócio é para adolescentes e adultos. 80% de nossos jogadores de CD-ROM tem mais de 18 anos. Há muitos homens, adultos, jogando CD-ROM. Achamos que vamos vender 800 mil Sega-CDs este ano. Se as vendas sazonais de fim de anos são de 80%, nossas vendas atuais podem suportar isso. [NOTA: apesar de não haver um número totalmente confiável, estima-se que as vendas do Sega-CD nos EUA ficaram entre 1.5 e 2 milhões até o fim de 1994, e 6 milhões no mundo todo ao final do ciclo].

 

Tirando as puxadas de sardinha para a brasa da Sega, claro, sua previsão — e visão — sobre o 3DO foi impecável: caro, de nicho, hardware pouco interessante que de 3D não tinha absolutamente nada... Inclusive acertou ao dizer que teriam em breve uma máquina 32-bit melhor que o 3DO (o Saturn) e que seria substancialmente mais barato (quase metade do preço de lançamento do 3DO).

Ele só não contava com a astúcia da Sony, e a falta de astúcia da Sega do Japão...

FONTEThe New York Times
Artigo anteriorJaponês cria decalques de Famicom, Game Boy e Super Famicom para Forza 6
Próximo artigoRitchie Brannan fala do desenvolvimento de Top Gear
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

4 COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!
  1. Taí um console que eu gosto muito. Apesar da biblioteca dele não chegar nem no calcanhar do Saturn e muito menos do Playstation, me divertiu muito. As versões dele para o Need for Speed, Out of this World, Alone in the Dark e Flashback são na minha opinião as melhores até hoje. Fora uns exclusivos bem interessantes. Costumo dizer que geralmente só gosta do 3DO que o teve em sua época mesmo. Enquanto ele competia com MD e SNES era uma máquina de outro mundo. Por sorte eu não paguei nem perto do preço oficial na época, rsrsrs.

    Por outro lado é até estranho a Sega, com tanta experiência em 3D nos arcades não ter investido nisso no projeto do Saturn. A impressão que temos hoje é que realmente existia uma rixa entres as filiais JP/USA.

  2. ... "Ele só não contava com a astúcia da Sony, e a falta de astúcia da Sega do Japão... "

    Thomas J. Kalinske foi o "Cara" da Sega of America. De uma competência extrema. Realmente Daniel, se não houvesse Kalinske, não haveria Sega peitando a Nintendo (e vencendo, por alguns momentos em número de vendas)

    A Sony abocanhou tudo com o Playstation 1 não foi? o Saturn era excelente no 2D, ports dos arcades da CPS2 da Capcom e a MVS da SNK ficaram excepcionais no Sega Satam, e sofríveis no PSX.

    3DO, joguei muito em uma locadora da minha cidade. Need For Speed nasceu nesse sistema, adorava. O preço era realmente proibitivo. O fato de ter somente uma entrada de joystick, como o PC Engine, era um saco, porém no 3DO o segundo controle encaixava no primeiro, e o terceiro no segundo e o quarto no terceiro. Ficava uma corrente (hahahaha), jogávamos Twisted, bons tempos.

    Sega of Japan ........... será que eles se arrependeram, no final das contas, de suas atitudes arrogantes perante a Sega of America?

    • Claro que a intenção deles não era bem essa, mas talvez o Saturn tenha sido a "máquina definitiva" para jogos 2D, era demais mesmo.
      Posso estar falando bobagem, mas acho que a Sega japonesa ficou com o orgulho ferido pelo Genesis ter feito tanto sucesso, e com ideias de um americano. O Saturn era a chance que queriam pra voltar a controlar tudo desde o Japão, e fizeram uma burrada colossal — além de perder o Kalinske.

DEIXE UMA RESPOSTA