Road Rash 64 (Nintendo 64)

A versão do clássico de combate veicular foi licenciado pela Electronic Arts a THQ, mas manteve a jogabilidade no console da Nintendo.

0
446
Este artigo foi marcado para revisão ou expansão.
────────── Publicidade ──────────

Road Rash 64 é um jogo de corrida e combate veicular, parte da série Road Rash, desenvolvido pela Pacific Coast Power and Light e publicado pela THQ para o console Nintendo 64. Foi o primeiro a não ser feito pela dona da franquia, a Electronic Arts.

Lançado em 22/09/1999, o game manteve a jogabilidade clássica estabelecida desde o primeiro título, lançado para o Mega Drive em 1991: a combinação entre corridas ilegais de motocicleta com briga entre os competidores.

Sobre rodas podem ser usados quaisquer recursos normalmente ilícitos em corridas, como atingir os rivais com os punhos e armas, derrubando-os das motos ou causando o choque com veículos e obstáculos na pista.

Há também policiais no encalço dos motoqueiros, usando automóveis ou motos. Se o motoqueiro cair perto da polícia será preso, e não tendo acumulado dinheiro para pagar a fiança, o jogo termina. Se a moto for muito danificada e o jogador não tiver dinheiro para o conserto é outra situação de “game over”.

Em comparação com versões anteriores, RR64 apresenta maior variedade de armas e motos, enquanto pistas são demarcadas por trechos de estrada (contra diferentes estradas, antes). Inicialmente planejado como um port similar ao Road Rash 3D, do PlayStation, chegou-se à conclusão que a corrida havia sido muito valorizada naquele, então tudo foi repensado.

O sistema de combate ganhou destaque, com lutas intensas entre motos da IA, inclusive. O modo multiplay permite até 4 jogadores simultâneos (com a tela dividida em 4 blocos). Texturas e polígonos acabaram sofrendo uma redução em favor de suportar mais ações durante o gameplay.

A trilha sonora inclui as bandas Full on the Mouth, CIV, The Merman e Sugar Ray. A recepção da crítica foi mediana, destacando negativamente os gráficos um tanto “borrados”, mas valorizando a volta às origens com o combate priorizado.