O som do Mega Drive é melhor que do SNES (às vezes)

TRETA! Eu disse isso mesmo: o som do Mega Drive surra o do SNES em várias situações, principalmente em ports de arcade. Duvida?
Por: Daniel Lemes
51
5553

No começo dos anos 80, a Yamaha desenvolveu o chip que, anos mais tarde e depois de entrar em vários projetos como computadores e arcades. Faria também parte do Mega Drive, o YM2612, versão capadíssima do YM2608 de 16 canais que era usado em computadores. Junto com o SN76489 (um chip PSG de 4 canais mono), o kit era a chave do que a Sega queria exatamente em seu 16-bit: fazer o jogador lembrar do ambiente sonoro de um "fliperama".

Pouco depois, no fim da década, quando a Nintendo ainda se relacionava com a Sony, Ken Kutaragi (aquele do PlayStation), mesmo sendo um dos grandões desta, aceitou desenvolver o hardware de áudio do Super Famicom. E assim foi feito, sob medida para a nova geração da Big N, com muito mais recursos que o concorrente, usando dois chips, um SPC700 8-bit e um DSP 16-bit. A qualidade de vozes era muito superior e as músicas tinha como base amostras reais, para buscar maior fidelidade aos instrumentos de verdade, em vez daquele típico som "eletrônico" do Mega.

Então como diachos posso contrariar a lógica no título do post, dizendo que o som do Mega Drive "é melhor"? Que o chip mais antigo e com menos recursos superava o mais moderno? Porque sou um seguista viuvinha fanboy e carente de atenção? Porque os engenheiros de som que trabalhavam para a Nintendo eram incompetentes?

Não, ninguém em sã consciência discute o lado técnico, qualquer cretino sabe que o som do SNES tem mais recursos e fim. Mas vou demonstrar que o som do Mega Drive foi melhor em determinadas circunstâncias. E que em certo segmento, era incontestavelmente superior.

Duvida?

Missões diferentes

yamaha ym2612 mega driveO Mega Drive usava a modulação de frequência para produzir aqueles timbres peculiares e imitar instrumentos da melhor maneira possível. Por suas características, pode-se dizer que ele tinha seu próprio instrumento, um sintetizador. Essa arquitetura era padrão quando ele foi desenhado, inclusive nos arcades e computadores; o som daquela geração soava daquele jeito e não poderia ser muito diferente pelo modo como os hardwares de áudio eram desenhados.

Já o Super Nintendo usa a abordagem da wavetable (tabela de ondas), um tipo de "arquivo de sons". As amostras desse arquivo compactado são descompactadas e moldadas para ter máxima semelhança com o som desejado. Como toda a geração é baseada nessas amostras arquivadas, o SNES não tem um sintetizador, ele não cria sons, só manipula.

O resultado? Som do Mega mais claro e "estridente", especialmente em trilhas rápidas e com batidas fortes. Os graves são distintos e agudos brilham ao ouvido, aquele típico som de videogame a que o senso comum remete. Faixas similares no SNES soam abafadas e sem vida, como se o auto-falante estivesse sufocado por um travesseiro, porque é preciso filtrar as amostras para evitar ruído após a descompressão.

Por outro lado, temas orquestrais, suaves ou imponentes, com múltiplos instrumentos e maior fidelidade aos sons "reais", são insuperáveis no console da Nintendo. Casavam perfeitamente com a grande biblioteca de RPGs, que abusam desse tipo de faixa para cenários de fantasia. O SNES se afastou da busca pelo "som de videogame" na direção do "som real".

Um bom exemplo é Rock & Roll Racing: faixas abaixo de sofríveis no Mega Drive e excelentes no SNES. Embora o programador de áudio tenha sido Tim Follin (e o irmão Geoff), considerado mestre em tirar o máximo de hardwares e um dos gênios do chiptune graças a trilhas fantásticas no NES, não dava pra competir com o ponto forte do SNES. Mesmo soando tão MIDI-genéricas, era covardia querer que suas amostras fossem menos fiéis às guitarras e baixos das músicas originais. No sintetizador do Mega, as músicas sangram ouvidos de tão agudas e ruins.

SNES S-SMPÉ inegável também que o som do Mega Drive tem mais personalidade. É quase impossível ouvir uma trilha dele ou remixada com aqueles packs de áudio, e não reconhecer os timbres quase de imediato. O som "eletrônico" (ou seria elétrico?) caiu como uma luva para a reprodução da experiência do arcade em casa; o modelo base YM2608 foi usado em vários entre o fim dos anos 80 e início dos 90. Outros consoles já tinham brincado com FM (como o Master japonês no console, e o Famicom com chip no cartucho), mas o Mega levou essa brincadeira a outro nível.

Embora surpreendentemente legal no remoto 1991, as músicas medianas do SNES soam como MIDIs ordinários, que com exceção de faixas clássicas ou bem conhecidas, passam despercebidas. Quando tentavam criar trilhas mais vibrantes, como em shmups e games de ação (veja o exemplo de Thunder Spirits mais abaixo), o resultado era lamentável, o MIDI broxava tudo, sem falar do velho problema do áudio abafado.

Grande parte disso por culpa das limitadas opções de amostra. A Nintendo reduzia bastante a liberdade de trabalho dos desenvolvedores (veja no final). O SNES deitava e rolava quando precisava de fidelidade ao mundo real, com flautas, guitarras, baixos... Daí os magistrais temas de RPGs e faixas cheias de efeitos, como os ecos e ambientações de Donkey Kong Country. Sem falar das vozes.

Exemplos

Vamos aos exemplos, começando com um que mostra a maior fidelidade do Mega em relação aos arcades da época: Turtles, com a mão da Konami nas três versões (Turtles in Time no arcade e SNES, e Hyperstone Heist no Mega Drive), pra não ter desculpa.

Sem dúvida a do SNES emula melhor instrumentos, e até inventa — dá pra ouvir uma guitarra ali que não se nota no arcade — mas a do Mega Drive manteve a mesma pegada. É como se a versão Mega fosse um cover da original, e a do SNES, uma adaptação. Dá pra entender isso?

O SN76489, gerador de som programável, servia como chip extra; Yuzo Koshiro tirou grande vantagem dele para reproduzir samples de teclados Roland, e assim conseguiu efeitos sensacionais nas faixas de Streets of Rage, The Revenge of Shinobi e outros jogos. Uma boa explicação disso, mostrando o áudio proveniente de cada chip.

Outro exemplo de como o som MIDIático pode arruinar tudo: o tema de Ryu nas mesmas três máquinas rodando Street Fighter II (Champion Edition no arcade e suas equivalentes, Plus no Mega Drive e Turbo no SNES):

No SNES é quase outra música... Pra não dizer que escolhi a pior, mais uma, o tema do Ken:

Assim como o Mega era uma bela porcaria para trilhas elaboradas e orquestrais, o SNES em alguns estilos soava terrivelmente. Chega a ser trágico como o Meguinha pode surrar tanto o áudio do rival em ports de arcade que estiveram em ambos, como no citado Street Fighter II. Talvez fosse o caso de alguma mudança simples na arquitetura de áudio do SNES, mas afinal, eles queriam outro caminho.

Não acontece porque o chip é melhor ou de longe comparável, e sim pelo futuro planejado por cada empresa para suas crias, seus alvos: a Sega procurou o timbre dos arcades modelando o Mega à arquitetura deles; já a Nintendo queria simular da melhor forma os sons de instrumentos reais para jogos domésticos, ocasionalmente adaptando arcades, como já acontecia em computadores com placas de som. Sem dúvida, uma evolução.

Claro que programadores e compositores talentosos ultrapassavam esses obstáculos. Pra quem diz que o Mega Drive é só "bip eletrônico", um exemplo: Tim Follin derrubando barreiras com uma trilha de rock progressivo impressionante no não-lançado Time Trax:

Comparações

Algumas músicas de games lançados nos dois consoles pra você comparar (clique para ouvir sem sair da página).

Thunder Force III Mega
Thunder Spirits SNES

Art of Fighting Mega
Art of Fighting SNES

Earthworm Jim Mega
Earthworm Jim SNES

Boogerman Mega
Boogerman SNES

Arcus Odyssey Mega
Arcus Spirits SNES

Sunset Riders Mega
Sunset Riders SNES

The Lion King Mega
The Lion King SNES

Boxing Legends of the Ring Mega
Boxing Legends of the Ring SNES

Cool Spot Mega
Cool Spot SNES

Um comparativo, ou melhor, seleção de faixas diversas dos dois consoles.

E pra quem insiste que o som do Mega é um lixo que só serve para músicas de arcade, fique com mais, inclusive algumas famosas do SNES rodando no kit de áudio do Mega ou remixadas usando as características dele:

Músicas em versões "Megadrivers"

Várias músicas bem conhecidas rodando no áudio do Mega Drive, ou como soariam nele. Não por coincidência, as faixas de eletrônico / eurodance ficaram perfeitas. As do Nirvana me fizeram pensar em Moonwalker: imagine um jogo com Cobain soltando guitarradas em todo mundo... O Call me Maybe estilo Sonic ficou MUITO melhor que a original, e falo sério. Danger Zone em cima de After Burner é quase como se fossem parte um do outro.

Call me Maybe (Carly Rae Jepsen)
Pet Sematary (Ramones)
Everlong (Foo Fighters)
What is Love (Haddaway)
Danger Zone (Kenny Loggins)
Rhythm is a Dancer (Snap!)
Californication (Red Hot Chili Peppers)
3 faixas de Nevermind (Come as You Are, Lithium e In Bloom)

Conclusão

Vou fechar com a resposta que me parece perfeita sobre porque o som do SNES não soa sempre melhor que o Mega Drive, como poderia ser (tirada de um fórum do Sega-16 discutindo os altos e baixos de cada um).

Mega Drive (Yamaha YM2612)

  • 5 canais FM e um canal FM/PCM, quatro operações por canal
  • Taxa de amostragem: 22,050 KHz
  • Master clock 7,67 MHz (mesmo clock do CPU)
  • + Texas Instruments SN76489, 4 canais PSG
  •  64KB RAM boot (do Z80)

Seis canais FM, três ondas quadradas, um canal de ruído. Um dos canais FM pode ser usado como PCM 8-bit. O conjunto é ótimo para síntese de som, mas o PCM é terrível. O Z80 principal tem só 8KB de RAM disponível, mas pode ler dados do cartucho por conta própria, o que não chega a ser um grande problema; ele pode acessar grandes quantidade de dados. Infelizmente o "bank switching" torna o PCM desagradável, ao menos se você está trabalhando com uma ferramenta de som só no Z80, que controla ambos os chips (2612 e o Texas Instruments).

A síntese FM pode soar ótima se usada por alguém que saiba fazer bons instrumentos FM. Infelizmente de novo, isso não ocorre muito entre programadores do ocidente, então a maioria dos games japoneses soam ótimos, pois suas equipes sabiam criar instrumentos razoáveis.

SNES (Nintendo S-SMP)

  • SPC700
  • + Sony DSP 16-bit ADPCM , 8 canais
  • Taxa de amostragem: 32,000 KHz
  • Master clock 24,576 MHz (independente do CPU, que é 3,58 MHz)
  • 64KB RAM de áudio

Oito canais ADPCM e alguns efeitos via hardware. Teoricamente produziria melhores sons que o Mega Drive, mas a Nintendo complicou o design, então muito dessa vantagem acaba desperdiçada, senão a diferença entre eles seria muito maior. O SPC700 tem 64KB de RAM, mas não lê dados de cartucho por conta própria; precisa de assistência do 65816 (CPU). Isso significa que o programa de som, todas as amostras e todos os dados (não só da música mas também efeitos) precisam estar guardados em sua RAM, o que limita severamente o que pode ser feito.

Para piorar, o CPU não pode acessar a RAM do SPC700 diretamente. Em vez disso, há 4 portas de comunicação 4 bits, e para enviar dados é preciso que o SPC700 procure dados nessas portas e o CPU esteja enviando dados ao mesmo tempo (há um programa de boot do SPC700 que faz isso no boot do console), operação terrivelmente lenta e a razão de tantos games darem aquela pausa de alguns segundos quando vão trocar a música de fundo.

O SNES tem a desvantagem extra de que a Nintendo recusou-se a permitir que desenvolvedores usassem suas próprias ferramentas de som. Em vez disso, todas as licenciadas eram obrigadas a usar a engine de som da própria Nintendo - que bem limitada, resultava num uso superficial do potencial. Muitos desenvolvedores usavam amostras padrão da Nintendo, que não soavam exatamente uma maravilha, e os que forneciam suas próprias amostras, em muitos casos usavam sintetizadores FM, que acabavam não soando tão melhores do que o Mega Drive podia fazer.

 

Agora pra fechar de verdade: Sonic 2 no áudio do SNES e Chrono Trigger no áudio do Mega Drive. Viu que bizarrice? Por isso "tecnicamente inferior" não exatamente significa "pior".

Artigo anteriorNintendo 64 portátil: cale-se e pegue meu dinheiro
Próximo artigoWii U alcançando idade do Dreamcast… com quase metade de unidades vendidas
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

51 COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!
  1. Quando fui jogar Thunder Spirits do snes...fiquei desapontado com o jogo em termos de tudo...música, jogabilidade e até os gráficos...a versão thunder force 3 do mega é bem melhor em termos de tudo. Mortal kombat 2 do mega na minha opinião também é superior a versão snes. E se comparar com as versões Ninja gaiden trilogy dos snes a versão nes...a versão nes é bem superior. Sem contar sobre o jogo batletoads do mega...a versão nes é bem superior em termos de tudo também. O mega drive era muito falado em ter músicas roca e estilo mono como dizem...Outro clássico que na minha opinião superou até a versão arcade ou fliperama da vida é Slap fight...a versão mega drive saiu boa em todos os sentidos, jogabilidade, gráficos e músicas...perfect...joguem e comparem esse clássico jogo de navinha. Até mesmo Desert Strike do mega na minha singela opinião saiu boa...já a versão snes fiquei na dúvida.

  2. Assisti um video interessante sobre o audio do Mega Drive e gostaria de compartilhar com vocês caso não tenham visto, mas pelo que vi ele utiliza uma Ferramenta chamada Tiido e converte para imagem do Sega Genesis BIN e usa o Everdrive para tocar a música, ficou bem interessante, pois acredito que o som desse chip Yamaha YM2612 ainda tinha um folego bom de vida, abaixo segue um exemplo:

    https://www.youtube.com/watch?v=h9WzrJ5OyWA

  3. "Embora o programador de áudio tenha sido Tim Follin (e o irmão Geoff), considerado mestre em tirar o máximo de hardwares e um dos gênios do chiptune graças a trilhas fantásticas no NES, não dava pra competir com o ponto forte do SNES."

    AHAHA ,desistam , a trilha da versão de snes seria superior , mesmo que o compositor de resident evil director's cut , a tivesse feito , ouçam a trilha de um dos primeiros jogos de SNES : F-zero , emulação incrível de instrumentos musicais , em especial instrumentos de sopro

  4. Pois é, eu gosto muito dos dois. Sempre tem um ou outro jogo que o áudio fica melhor em um do que no outro.. O Rock n' Roll Racing era 10x melhor no SNES. Já Spider-Man e Venom - Maximum Carnage era melhor no Mega Drive, da mesma forma que Desert, Jungle e Urban Strike no Mega Drive era melhor do que no SNES.

  5. A Nintendo já que optou por esse estilo de som MIDiático deveria ter desenvolvido o aparelho com mais canais (uns 12 no mínimo) e uma maior taxa de amostragem (48.000hz) pra ter mais opções de instrumentos e maior fidelidade nos sons instrumentais, mesmo assim seus 32.000Hz de amostragem já era considerado muito bom para a época. Também faltou adicionar alguns efeitos de equalização como uma pequena taxa de reverberação pra amenizar o efeito de som seco e pausas bruscas. Outro ponto a salientar é sobre os compositores ou produtores musicais, muitos deles não tinham boas habilidades e/ou criatividade para criar boas amostras de som sejam elas com instrumentos físicos ou sintetizados. Na verdade tinham uma ótima plataforma para criações musicais (SNES) mas não dispunham de experiência nem de um bom laboratório para criação das amostras sonoras, produziam sons bruscos, sem acabamento e distorcidos e de péssima qualidade sonora (sons de guitarra, baixo e bateria abafados ou mal sintetizados). Mas nem todos eram inexperientes, percebemos isso ouvido sons de alguns títulos como Strike Gunner S.T.G, Sunset Riders, Super Bomberman2, Top gun 3000, Chrono Triger e Donkei Kong Country 3.
    aqui o link de um site contendo todas as playlists de jogos do SNES que podem ser ouvidas no Winamp com ajuda de um pluguin que tambem pode ser baixado lá ou poderão ouvir as musicas no XMPlay se extrair as playlists no Winrar.

  6. O snes sofreu alteraçõesno hardware original, sendo que o modelo cpu 01 vinha com a placa sound of board, que certamente deixa os graves mais nitidos, devemos levar em conta que ele foi projetado para suportar um periférico desenvolvido ainda em parceria com a Sony que seria uma versão do snes com Reprodutor de cd com melhor qualidade de audio. Mas não tenho nada contra o mega drive porque eu ja joguei e o doom tropers e jurassic parque de mega drive pra mim foram os melhores ,zerei o sonic 2 e o hang on este eu madrugava. Então cada um com suas qualidades se bem que na época eu nunca parei pra reparar em qualidades eu simplesmente queria jogar seja o mega ou o snes ,eu possuia os dois.

  7. Os dois são otimos, snes com suas vantagens e mega drive, lembrando que o snes iria receber um periférico com audio digital em cd isso foi revivido com o sd2 snes flashcart com o chip msu- 1 tornando os arranges de audio mais digitais e limpos com qualidade bem melhorada. Mas tive o mega e foi um console que me ajudou muito e a trilha tanto do sonic como super hang on foram indiscutiveis por suas qualidades.

  8. Que post!!! Fiquei maravilhado com o talento de Tim Follin. Não dá pra acreditar que a 1a faixa está saindo de um MD! Essa questão do som acho que vai muito de gosto pessoal. Para mim, as músicas do SF2 do SNES soam mais agradáveis aos ouvidos que as do MD ou mesmo do Arcade. Turtles in Time fiquei na dúvida...

    Fui muito mais Seguista (ganhei o MD em 92 e SCD model 1 dos pais, depois já adolescente comprei um 32x e Saturn acreditando na Sega) do que Nintendista (tive somente um SNES do Paraguai porcamente transcodificado e um Gameboy). Mas o principal motivo para sonhar com um SNES foi justamente o som lindo e aquelas vozes fantásticas! Lembro que meu colega de classe levava o SNES dele lá em casa e eu ficava maravilhado com a qualidade "de CD" do estágio do trem de Montana Max no Tiny Toons, a orquestra de Sim City, aquele samba inacreditável da primeira fase do Adventure Island ou Ghouls n Ghosts. Tudo parecia mais limpo e bem executado que o Mega (embora concorde da pobreza sonora de uma quantidade considerável da biblioteca do SNES).

    Mas é indiscutível o prazer de ouvir aquela época (e ainda hoje) a OST de Streets of Rage 1 e 2, Sonic e ThunderForce 3. Achei legal o teu artigo ter apontado que cada chip era apropriado para sua missão. É bem isso! Cada chip reinava na sua área. Tanto que Thunder Spirits ficou um lixo.

    Obrigado por trazer essa maravilha de artigo pra nós, Daniel!

    • Cara foi lançado a um tempo atrás um patch de "correção de áudio" do mega drive e ficou muito bom, o trabalho foi bem bacana e ficou muito próximo do super nintendo, pelo que andei lendo foi reprogramado a digitalização das vozes, utilizando os canais "corretos" o que demandava mais tempo pra se programar, e nesse mundo business tempo é dinheiro, então a capcom fez a digitalização padrão e resultou naquele audio "estralado e rouco".
      Abaixo coloquei o audio regravado:
      https://www.youtube.com/watch?v=-iE5GJNkOqs

        • Seria bacana ter um post disso, e realmente a Capcom foi desleixada, assim como outras produtoras de games, esse post foi muito esclarecedor na capacidade de audio do Mega Drive, tem jogos que realmente o Mega era superior, vi uma entrevista do criador do jogo Pier Solar e ele comenta um pouco sobre o audio do Mega Drive e que existem algumas maneiras de se digitalizar as vozes e era complicado pra fazer igual esse patch do Street Fighter, pois a programação pro chip de audio era bem mais complexa e demandava mais tempo, o que levava as fabricantes de games a optarem pelo caminho mais curto!

  9. Gostei da matéria e dos vídeos comparativos,mas nos comparativos o erro é usar o som dos emuladores dos consoles, eles conseguem reproduzir fielmente o som do snes e não conseguem do mega drive, tem muita gente que relata isso a dificuldade de emular o som do mega podem pesquisar.

    No video comparando o som de mega drive o som é sujo, de baixa qualidade, e definitivamente não reflete o que era no console, tenho 2 mega drives aqui,liguei o street fighter 2 ce que eu tenho desde a infância, conectei na placa de som e capturei o audio direto do video game e o som é limpo,tanto no console como no pc, e nos emuladores não.

    Então subi o audio do cenário do ryu pro youtube tirado do console e não de emuladores.
    https://www.youtube.com/watch?v=dT5pW0g1ESU

    • Verdade, tem gente que reclama da emulação de áudio do Fusion; o Exodus promete emular perfeitamente, mas é pra "audiófilos". Vou fazer outro vídeo assim que puder com o som do hardware, esses vídeos do post podem ter sido prejudicados também na conversão (uso o Camtasia, talvez tenha errado em algum ajuste). De qualquer forma, acho que a proposta deles foi cumprida.

      O seu vídeo não consegui ver, está marcado como privado.

      • Opa foi mal realmente estava limitado pra ser privado já alterei, um colega aqui me disse que o do snes tb poderia ser melhor, e realmente o som direto do hardware dos 2 seria mais justo.

        Só cuidado não pegue um "super megadrive 3",que aquilo nem mega drive é tem uma plaquinha que simula o console,tem menos compatibilidade e gráficos piores que o megadrive normal, pra identificar é só abrir a porta pra ligar o sega cd, se tiver o conector é mega drive de verdade.

        Minha conclusão sobre as musicas do stf2 o mega drive é mais fiel ao arcade levando mais a experiencia do arcade nesse quesito perdendo em outros para o snes, que tem graficos e vozes melhores.

        • Ah sim, esses "Mega Drives" que a TecToy despeja no mercado são praticamente emuladores travestidos. Acho que a sua conclusão é parecida com a minha: é muito mais fiel no Mega, lembrando que fiel é diferente de "superior tecnicamente".

  10. Cara, cada um realmente tem suas vantagens. Tem muita coisa linda no SNES com eco e instrumentos mais reais, só que a percussão das músicas do Mega são muito empolgantes...

  11. Muito bom o tópico, esclarece muito esse tema tão polêmico entre os hardwares de som do Mega e Snes... Parabéns cara!

  12. Olá meu caro Daniel, essa é uma das melhores matérias que você já publicou, excelente! Mas ... como você deixa de lado uma das melhores trilhas dos 16bit de todos os tempos?

    Glaylancer: https://www.youtube.com/watch?v=y68mENG2VlI&index=3&list=PLDEBCD64DC6828251

    Em relação a temas orquestrados, claro que o SNES é top, porém a gloriosa Konami compôs trilhas orquestradas espetaculares em: (principalmente a da última fase).

    Castlevania Bloodlines: https://www.youtube.com/watch?v=qxb7Zfay0dY

    Matéria digna de reconhecimento, e é claro, está em meus favoritos.

    • Grande O-H, valeu!
      Putz, vacilei mesmo com o GlayLancer... mas tinha tanta trilha soda em shooter que acho que até outros devem ter passado batido, principalmente os exclusivos do Japão.

  13. Exceto na música do jogo das Tartarugas Ninjas, onde a do Mega realmente é melhor, no resto, inclusive nas músicas do Street Fighter, o som do Mega é um lixo. Esse eletrônico cheio de bip soa hoje em dia extremamente antiquado, quase como um Master System. Eu particularmente odeio esse tipo de som do Mega. Por ironia do destino, no entanto, minha trilha sonora predileta de toda a história dos videogames é a do Sonic do Mega, que é um som superior a qualquer jogo do console tanto em qualidade sonora quanto em inspiração artística.

    Acho que o criador do texto é 100% Seguista pra enxergar o som do Street do Mega superior ao do SNES.

    • Eu não disse que tecnicamente o som do Mega Drive é superior, seria insanidade e falta de conhecimento dizer isso. A questão é que esses bips são o som da geração do Mega Drive, da época em que foi lançado, era como os arcades soavam, e a Sega queria um videogame que soasse parecido com o arcade.

      Por isso as trilhas de Street Fighter soam mais parecidas - ouça especialmente a do Ryu, é bem perceptível como no SNES a música foi refeita com mais instrumentos. É mais rico, mas diferente do arcade.

    • Concordo. Realmente, se a questão era ser o mais semelhante possível, o mega realmente fica na frente, agora, isso aqui tem que ser revisto. O som dos originais nem de longe são perfeitos. As músicas do Street F por exemplo, são lindas mas tbm são limitadas quanto ao seu hardware. A Sega sabia que não poderia fazer uma trilha sonora muito melhor do que a original, por isso, em relação à fidelidade, o mega realmente fica na frente. Por outro lado, dizer que o som era mais bonito no mega do que no snes é coisa de seguista. Tá louco! Tire a mão do coração e deixe seus ouvidos analisarem sem se deixar levar pelo que você sente pelo Mega, que tem seus méritos, mas tratando-se de áudio, não há que se falar em qualquer vantagem frente ao Snes. Obs: adoro tanto o Snes qto o seu rival, tanto que não acho necessário se fazer valer de artifícios baratos pra dizer que o Mega Drive foi um excelente console. Apenas sou realista e procuro julgar pela razão e não pelos sentimentos.

      • "A Sega sabia que não poderia fazer uma trilha sonora muito melhor do que a original", a questão não é fazer melhor, mas a melhor conversão arcade > console. O som do Mega é muito mais parecido, em termos de desenvolvimento do hardware, com um arcade do que o SNES, logo é natural que soe muito mais parecido. A trilha do SNES, como disse no texto, tecnicamente é bem superior, mas é menos parecida com o "som de arcade" típico.

  14. Belo artigo !
    As gerações de games passadas cada empresa tinha uma grande diferença em relação a outra no quesito gráficos e principalmente som isso que era a grande jogada , em relação a esta nova geração é um pouco difícil fazer comparações em relação ao som ou até mesmo os gráficos pois quase é tudo muito parecido ou igual só mudando os joysticks e alguns exclusivos.

    • Valeu, Jefferson! É verdade, até falo disso num post recente sobre as gerações de consoles: os atuais, e já de uns anos pra cá, perderam a personalidade, são todos muito nivelados e os exclusivos que se virem pra ganhar jogador.

  15. Muito boa matéria uma das melhores já feitas, porem não se ninguem falou o que vou falar, mas enfim, em certa parte da matéria se entendi bem foi dito que tal jogo não lançado time trax, bem se é isso qe quiz dizer devo deixar relatado que tive original a caixa e manual. e americano. rsrs realmente ele foi lançado assim como time slip na qual jogo sumiu da face da terra rsrsrs porém queria dizer mega drive sim sempre teve melhor hardware, porém certos produtores deixava peteca cair e muito jogos na qual o som éra lamentável, como zool, top gear, turrican etc..abração show de bola o site parabéns!

    • Obrigado, xará!
      Estranho você ter o original, todos os lugares que falam dele, consta como não lançado. Será que o que você tem não é um daquele repro, "feitos em casa", por assim dizer?

    • Putz, eu curto tanto a trilha do Chrono Trigger, que acho que estranharia ela refeita no Mega, apesar de ter curtido essa da introdução.
      Só sei que aquelas mais instrumentais tipo do tema do Frog, provavelmente não ficaria legal...

  16. A principal decepção no Snes era que, tirando Nintendo, Konami e Square as demais empresas conhecidas não faziam trilhas sonoras decentes, enquanto isso no Mega Drive podemos citar várias empresas (algumas pequenas e desconhecidas) que fizeram músicas memoráveis, como Asmik, W.A.S, Renovation Games (ou Telenet) Masaya, Sunsoft, Technosoft entre outras. O "supra-sumo" das músicas no Snes era ótimo mas no restante da biblioteca o Snes não era nada bom. No Mega o supra-sumo é tão bom quanto, e em toda a biblioteca encontramos dezenas de boas surpresas.

    • É exatamente meu ponto, Marcel. Claro que top x top, o SNES leva vantagem técnica, mas pouca coisa se salva da "média-baixa", são MIDIs insuportáveis sem fim (se bem que a biblioteca de jogos é grande e muita coisa nem cheguei a jogar. Mas pelo que vi dos dois, é isso).

  17. Baita texto, parabéns Daniel.

    O lado mais fraco do Mega era o som, mas com gênios como o Koshiro temos trilhas memoráveis até hoje.

  18. Ótima matéria, outra coisa que deve ser citada que esse som "estridente" também dependia do modelo do console que esta sendo usado, o vulgo model 1 amenizava muito isso, o conjunto de dacs e outros componentes de qualidade serviam como equalizadores e filtravam o som para o jogador.

    Outro fator importante é que o mega não tinha uma engine padrão de som que todos jogos usavam, cada desenvolvedora / jogos usavam a sua própria engine de som, então além do compositor ter que saber usar o hardware a engine de áudio influenciava muito na qualidade final dos jogos.

    Se posso ainda contribuir com exemplos tente por para galera ouvir a trilha de Vapor Trail, Glautlend,Masters of Monsters e Langrisser 2

    • Bem lembrado, a Sega andou castrando as versões posteriores do Mega e o som foi alterado. O lance do som tem duas faces: se por um lado ferrava a vida de quem criava, pois não tinha uma ferramenta padrão, por outro "incentivava" a variedade de sonoridades. Será que se tivessem uma engine oficial, não soariam todos parecidos demais (problema clássico do SNES)?

      Dos sugeridos, a que mais me impressiona é a do Vapor Trail.
      Gauntlet 4 https://www.youtube.com/watch?v=7WKKH6OAyS8
      Vapor Trail https://www.youtube.com/watch?v=XG1c2U4ld2Y
      Masters of Monsters https://www.youtube.com/watch?v=FR3HYFlXUXU
      Langrisser II https://www.youtube.com/watch?v=uSHIegofTAE

      • Será que se tivessem uma engine oficial, não soariam todos parecidos demais (problema clássico do SNES)?

        Bom, eu não acho uma "desvantagem" não ter uma engine de som padrão, isso dá liberdade ao desenvolvedor a sugar o máximo do hardware conforme a sua necessidade e situação, o problema era que o programador tinha que conhecer muito do hardare para fazer algo realmente bom, sem falar que tudo era em assembler que era uma tarefa bem difícil para programadores não tão talentosos como você mesmo disse..

        Um caso curioso de engines de som é o Street Fighter 2 Turbo Beta de Mega Drive que tinha as vozes limpas e de alta qualidade, até melhores que as do super nintendo que são bem abafadas..., porém, não tinha vozes simultâneas e as músicas não estavam tão bem feitas..
        https://www.youtube.com/watch?v=jvZwjB-XRi4

        Enfim é um assunto complexo, e fico muito feliz com a sua matéria e sua vontade de mostrar isso ao público, parabéns !

DEIXE UM COMENTÁRIO