Fracasso do Wii U: Mario pode ser o “salvador da pátria”

Com vendas muito aquém do esperado, a Nintendo deve focar no fortalecimento de seus "carros-chefe" - que podem ser a salvação.
Por: Daniel Lemes
0
146

Atualizado em 30/01/14. Enfrentando o inevitável terceiro ano consecutivo de perdas, a Nintendo vem sendo alvo de críticas e desconfiança dos acionistas quanto ao seu modo de gerenciar. Satoru Iwata, antes inquestionável em frente a empresa de Kyoto, já não é visto de forma tão unânime dentro e fora dela. Só os fanboys mais radicais parecem ignorar a nuvem cinzenta que paira sobre a cabeça da Big N.

Tudo por causa do - pelo menos até agora - fracasso do Wii U. Depois de ver sua previsão de lucro com o novo console ruir pelas péssimas vendas, a Nintendo começa nessa quinta-feira (30/01) a dar pistas dos caminhos para manter alguma sanidade financeira nos tempos que virão. Recentemente foi anunciada a redução nas previsões de vendas de todos os principais produtos, incluindo o 3DS (de 18 para 13,5 milhões), enquanto o Wii U passou de 9 para apenas 2,8 milhões.

"A revisão é muito pior do que esperado," disse Yusuke Tsunoda, analista da Tokai Tokyo Securities. "Será o terceiro ano consecutivo com prejuízo operacional, o que levanta um problema sério de gestão".

Segundo especialistas da indústria, não se deve esperar uma grande mudança de direção. A companhia não vai entrar de cabeça nos games online ou oferecer Mario em celulares. O mais provável é que trabalhe ainda mais no marketing de seus carismáticos personagens, máquinas de vender que talvez consigam diminuir as perdas.

Segundo Jean Snow, especialista em games e redator baseado em Tóquio, levar Mario para a rede seria um passo muito grande para a conservadora e centenária empresa: "A rede é importante e a Nintendo é notória por não ter um grande sistema online".

Nintendo - nuvens negras
Nuvens negras parecem pairar sobre a Nintendo. Será que Mario e os jogadores de primeira viagem salvarão a lavoura mais uma vez? Foto: © David Offf

Reservas. Mas que não se imagine, num eventual completo fracasso do Wii U, a Nintendo quebrada. Com mais de 8 bilhões de dólares em caixa - muito desse dinheiro feito com o Wii - e propriedade sobre suas ações, contam com "uma folguinha" para fracassar por alguns anos. A falha do Wii U só deixa a Nintendo atrás na corrida agora liderada por Sony e Microsoft. Analistas dizem que o Wii U está fracassando porque poucos games foram lançados - questões técnicas causaram um intervalo de 6 meses entre o lançamento do aparelho e o primeiro pacote de títulos.

Enquanto o Wii penetrou no lar de gamers novatos graças aos jogos de esporte com o sensor de movimentos, agradando da criancinha ao vovô, esse perfil de consumidores ainda não se convenceu da necessidade de atualizar seu console para outro mais caro e com um nome parecido. Ao mesmo tempo, jogadores "hardcore" são seduzidos pelos conteúdos mais "adultos" e maior poder dos hardwares de PlayStation 4 e Xbox One.

Iwata segue dizendo que conforme mais jogos vierem, especialmente das franquias vencedoras e exclusivas, a tendência é que as vendas do Wii U cresçam. Mas a verdade é que há poucos casos de consoles que começaram mal para se recuperar mais tarde, e as desenvolvedoras não terão interesse em trabalhar com plataformas fracassadas.

Claro que o Wii, quando lançado, também era alvo de chacotas pela inferioridade gráfica em relação ao PlayStation 2 e Xbox 360, e acabou mesmo assim indo ao topo. Mas será que os "casuais" ou "gamers de primeira viagem" vão segurar a onda da Nintendo de novo?

Wii U by Michael Sheehan
© Michael Sheehan

Reduzir custos. A Nintendo tinha um orçamento recorde de 70 bilhões de ienes (cerca de 680 milhões de dólares) para pesquisa e desenvolvimento, enquanto o custo de produção de um game, com os novos gráficos e funções sofisticadas, têm ficado entre 2 e 3 bilhões de ienes.

Mas com as perdas, o anúncio de quinta-feira deve focar na redução de custos. A Nintendo já se moveu nesse sentido ano passado, ao unir seus departamentos de jogos portáteis e de console. Alguns investidores duvidam da eficácia de tais ações e pedem medidas mais drásticas, como licenciar games para outras companhias e entrar no mercado de smartphones.

As excelentes vendas do PlayStation 4 e Xbox One sugerem que a famosa ameaça dos celulares aos consoles foi exagerada, enquanto a Nintendo mantém sua posição firme de que partir para esse setor reduziria o valor de seus personagens. Se assim for, restará torcer para que o apelo dos exclusivos seja suficiente para transformar o Wii U de fracasso anunciado à nova fênix no mercado de videogames.

Ou buscar outras fontes de ganho. "Em vez de licenciar Mario para outras empresas, eles podem criar um filme ou uma série de TV" - diz Hideki Yasuda, analista da Ace Securities. "A Namco teve grande sucesso dessa forma com Gundam e Kamen Rider".

Atualização 30/01: na reunião de investidores de hoje, Iwata falou o que muitos já esperavam - a Nintendo vai sim tentar novos caminhos de reduzir as perdas, "pero no mucho". Não ficou claro como será, só que celulares serão usados para serviços - frisando que não, Mario e cia. não vão para lá.

"A Nintendo tem valor porque é diferente das outras" - disse, reiterando que devem ser exploradas facilidades oferecidas pelos celulares, mas não relacionadas aos games. A ideia é que tais apps sirvam para "criar conexões com os consumidores".

O mais misterioso foi o anúncio de um "salto estratégico" ao explorar a "qualidade de vida" com um produto "não-game". Se isso significa outro controle de movimentos ou um dispositivo totalmente independente ninguém (fora o staff da Nintendo) sabe, e mais detalhes serão divulgados ao longo do ano, mas o lançamento do seja-lá-o-que-for deve ocorrer no período fiscal de abril de 2015.

Iwata adiantou que o item não será usado no corpo, nem uma versão do Wii Balance Board, e nem usado na sala. "Nós redefinimos o conceito de entretenimento para tornar divertida a melhora da qualidade de vida das pessoas". Hein??

Ele também reafirmou a confiança no negócio de consoles. "Não estamos pessimistas sobre o futuro de plataformas dedicadas de videogame". Vão também se concentrar em criar mais games que usem a função tablet do gamepad do Wii U, coisa pouco explorada até agora.

Seja como for, a posição de não reduzir preços de seus produtos e não entrar na linha de games em celulares e tablets continua firme. "Quando nos adaptamos muito, perdemos o que temos de único" - concluiu Iwata-san, remetendo ao velho mantra de Hiroshi Yamauchi: "A pior coisa numa empresa de entretenimento é fazer o mesmo que todo mundo".

Com informações de Reuters  e Eurogamer. Atualização: Verge e The Wall Street Journal

Artigo anteriorA história do Philips CD-i
Próximo artigoFrases sobre videogame proferidas (ou vomitadas) por celebridades
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

SEM COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!

DEIXE UM COMENTÁRIO