10 game hacks que você devia conhecer (e jogar)

Mexer com clássicos nem sempre vira tosquice: alguns hacks, mesmo despretensiosos, ficaram tão bons que passariam como jogo original.
Por: Daniel Lemes
0
4204

Criar um game hack não é novidade, nem raridade. As próprias desenvolvedoras "hackeiam" seus produtos para regionalização, como nas adaptações de jogos japoneses para o Ocidente. A Sega, por exemplo, lançou Black Belt, do Master System, hack de Hokuto no Ken do Mark III — algo que eu jamais imaginei na infância, pra mim o jogo de karatê era original e fim. A TecToy regionalizou Wonder Boy com os personagens de Maurício de Sousa em Mônica no Castelo do Dragão, e Teddy Boy foi transformado em Geraldinho, do cartunista Glauco. A Capcom reprogramou Kamen no Ninja Hanamaru, do Famicom, como Yo! Noid. E por aí vai...

Naquele tempo, praticamente só grandes empresas, com acesso à computadores caros e treinamento top, podiam fazer isso. A popularização de PCs e Internet abriu caminho a usuários comuns, que tiveram ferramentas para fuçar no código de seus games favoritos e fazer "remixes". Estudantes de programação e profissionais em horas de folga se dedicaram a criar versões de grandes sucessos, seja por lazer ou pensando em aparecer exibindo seus dotes técnicos.

Alguns "remixes" não passam de bizarrice beirando o injogável; outras alcançaram tal nível de perfeição que mal diferem de um produto oficial. Nunca curti muito porque é normal terem um nível de dificuldade bem acima dos originais, e não jogo para sofrer... Mas se peneirar, tem coisas que definitivamente valem a pena conferir.

Selecionei 10 game hacks distribuídos gratuitamente por seus autores em ROM, ou fornecidas as ferramentas para patchear a ROM original. Na lista temos Atari 2600, NES, Super Nintendo, Mega Drive, arcade e Nintendo 64. Confira!

Nota: por questão de direito autoral, não há links para ROMs aqui. Como diz a sabedoria popular, "o Google é seu amigo".

Ultimate Mortal Kombat Trilogy

Game original: Ultimate Mortal Kombat 3 (Mega Drive)

mortal kombat trilogy

O hack russo é um absurdo de variedade, colocando mais lutadores, cenários, combinações, fatalities, além de modificações na IA e novos modos de jogo. O autor, Kabal_MK, solta atualizações quando possível, e o release já está na versão 21.

É uma loucura: tem lutador de Mortal Kombat 1 dando combos em caras de Mortal Kombat 3, com cenários do Mortal Kombat 2, múltiplas versões dos ninjas, babalities, etc... Eu diria que é obrigatório para fãs da série e de games 16-bit.

Super Mario Kart R

Game original: Super Mario Kart (SNES)

hacks mario kart r

Ao contrário do que muita gente pensa ao ler o título, não é um crossover de Mario Kart com Sonic R, mas uma versão modificada do clássico do SNES, com novas cenas, pistas, músicas e personagem: Kirby (segundo o site de origem, pela cor parece mais o Boo) no lugar do Toad.

Como talvez o spinoff mais famoso da série Mario, o game de corrida é frequentemente modificado. Tem outro que já publiquei aqui, inspirado em Mario Kart 8, com ainda mais personagens (mas problema para rodar em alguns emuladores).

Super Mario Star Road

Game Original: Super Mario 64 (Nintendo 64)

hacks Super Mario Star Road

Hack em games 3D são menos comuns pela complexidade: é bem mais simples arrumar um desses editores de recursos, hexadecimal e sprites pra fuçar nos jogos 2D, do que ficar modelando personagens e cenários, sem falar da falta de ferramentas decentes.

Super Mario Star Road é um hack completo de Super Mario 64, com mais de 30 novas áreas, 50 novas trilhas sonoras, estrelas e mais conteúdo. Trabalho de primeira linha. Pra jogar você precisa de algumas ferramentas para fazer o patch da ROM, mas não é difícil e vale a pena.

Super Metroid Redesign

Game original: Super Metroid (SNES)

hacks super metroid

Super Metroid é um daqueles games grandiosos em qualidade e tamanho, que quando terminam deixam o jogador até meio depressivo porque sabe que não vai achar algo similar tão cedo. Ou talvez nunca.

Pra quem está nessa "viuvez" desde 1994, o hack Super Metroid Redesign é um prato cheio: um total redesenho do original com novas fases, mapas, alguns itens e suaves alterações na física. Quem jogou tudo diz que a dificuldade é da pesada, então prepare-se para uma velha e boa experiência hardcore à moda antiga.

Chrono Trigger: Crimson Echoes

Game original: Chrono Trigger (SNES)

hacks chrono trigger crimson echoes

Um dos mais famosos hacks, Crimson Echoes foi desenvolvido por um grupo chamado Kajar Laboratories, como capítulo alternativo da série Chrono. Os eventos ficam entre Chrono Trigger e Chrono Cross, e usando a mesma engine do game do SNES, a base ficou intacta. Novos gráficos, puzzles e referências a Chrono Cross foram inseridos, mas poucos dias antes do lançamento oficial, a Square Enix mandou a famosa carta de cease and desist (algo como "parem com isso ou vão tomar processo").

Mesmo assim, várias ROMs de desenvolvimento vazaram, incluindo uma "release candidate" (versão prévia e virtualmente idêntica à que seria lançada) jogável até o final.

Será que a Square tomou prejuízo por causa disso? Precisava mesmo ter metido o bico?

Street Fighter II' Rainbow Edition

Game original: Street Fighter II' - Champion Edition

hacks street de rodoviaria

Mais conhecido como "Street Fighter de Rodoviária", esse hack fez um sucesso danado em botecos fuleiros Brasil e mundo afora ainda nos anos 90. Sons, lutadores e cenários são os mesmos do jogo original, mas os malucos que reprogramaram zonearam totalmente a jogabilidade com apelações extremas: múltiplos Hadoukens, Yoga Fires e afins na tela (normalmente em zigue-zague), golpes aéreos, troca de personagem durante a luta, agarrão no ar, teletransporte, etc.

Já viu tudo isso em títulos posteriores da Capcom? Não foi coincidência. Dentro de sua ilegalidade, a Rainbow Edition serviu de laboratório para mudanças em games oficiais. Yoshinori Ono falou sobre o impacto do hack. "Essas versões acabaram nos dando inspiração para outros jogos, como X-Men: Children of the Atom e Marvel vs. Capcom", revelou durante a BGS 2015.

Donkey Kong Pauline Edition

Game original: Donkey Kong (NES)

hacks donkey kong pauline

O americano Mike Mika, jogando com sua filha de 3 anos, foi indagado pela pequena durante uma partida de Donkey Kong no NES: por que não dá pra jogar como a mocinha e salvar Mario, se games atuais da Nintendo tem Peach, Daisy e outras heroínas?

Em vez de responder "porque sim", ele hackeou a ROM do game e trocou os sprites dos personagens. Resultado é a "Pauline Edition", onde o macaco mantém Mario como refém precisando do resgate dela. Depois, Clay Cowgill fez algo similar com a versão arcade, alterando até a tela-título.

Quer jogar? As ferramentas para fazer o patch do NES estão aqui (precisa exatamente da ROM "Donkey Kong (U) (PRG1) [!]") e para o patch do arcade, aqui. (precisa da rom "dkong").

Knuckles in Sonic the Hedgehog

Game original: Sonic & Knuckles + Sonic the Hedgehog (Mega Drive)

hacks knuckles in sonic 1

Sonic & Knuckles foi lançado com a tecnologia chamada "Lock On", nada mais que um slot para conectá-lo a outro cartucho, funcionando juntos para gerar um terceiro. Mas só teve compatibilidade integral com Sonic 2 e Sonic 3, e muitos fãs se perguntaram: por que não puseram o Knuckles dentro do Sonic 1 também? (Só abria um tipo de bônus chamado Get Blue Spheres).

O problema na época foi com paletas de cores dos jogos, mas hoje, sem limitações, hacks produziram patches para a ROM de Sonic 1 virar o que a Sega não pôde fazer. O melhor deles é o chamado "Knuckles the Echidna in Sonic the Hedgehog", de Stealth. Ao contrário de outros que só trocam os desenhos de Sonic sem mexer em mecânicas, nesse a equidna tem todos os movimentos, como o "glide" (aquele voo flutuando), escalada de parede e até transformação em Super Knuckles. É exatamente o que deveria ter sido a junção de Sonic 1 + Sonic & Knuckles.

Tudo bem que fica apelativo em algumas partes (dá pra passar quase fases inteiras só flutuando depois de saltar de um lugar alto), mas é legal ver o resultado.

Pac-Man 2600 (Hack Ms. Pac-Man)

Game original: Ms. Pac-Man

hacks pac man rob kudla 2600

O port de Pac-Man para o Atari 2600 foi um dos maiores fiascos já vistos, guardando pouquíssimo do original (praticamente nada). Mesmo sendo supermonstro de popularidade do arcade e nome certo entre os maiores games da história, o pessoal não teve piedade e malhou a versão, com razão.

Para uma "correção histórica", Rob Kudla criou um hack sobre Ms. Pac-Man, também do 2600, nascendo assim algo mais próximo do que a Atari deveria ter se dignado a fazer décadas atrás. Foram feitos ajustes gráficos e de cor, e voltou até a mítica "música" com os inconfundíveis efeitos da sirene e das pastilhas sendo comidas...

The Legend of Zelda: Outlands

Game original: The Legend of Zelda (NES)

hacks zelda outlands

Para fãs de Zelda que jogaram o de NES o bastante para decorar (e perder a graça), o hack The Legend of Zelda: Outlands é um redesenho de quase tudo: segundo seu autor "você tem a garantia de que não vai reconhecer nenhum dos lugares do game anterior".

Mapas, labirintos, puzzles, nada estará onde você conhecia, o que garante uma experiência nova de jogo num clássico. Foram feitas também modificações gráficas, com novas cores. Dá pra imaginar: um Zelda novinho para NES? Coisas que só o hack faz pra você.

Artigo anteriorTrailer de Final Fantasy VII Remake, agora com gameplay
Próximo artigoJohn Romero revela port de Super Mario Bros 3 para PC
Se não tiver conta no Memória BIT, será criada uma. Nada será publicado em seu perfil.
Se já tem conta no MBIT, faça login nela e vincule-a ao Facebook.

SEM COMENTÁRIOS

X
Todos os comentários passam por moderação antes de publicados. Se o seu for aprovado, vai aparecer em breve!

DEIXE UM COMENTÁRIO